Desfilar nas passerelles de Paris é sempre um sonho, quer para modelos como para estilistas. Mas quando o desfile corre mal como será que se sentem? Pois bem, na noite da última quinta-feira a Semana da #Moda Masculina foi palco de uma acção polémica. Em causa está o modelo Jera Diarc que empenhou uma faixa em que pedia a morte da chanceler alemã Angela Merkel. A cena teve tanta repercussão que nos bastidores do desfile o modelo foi agredido pelo próprio estilista.

O desfile da colecção de roupa masculina para a Primavera-Verão 2016, a acontecer em Paris, ficou marcado na noite desta quinta-feira, 25 de Junho, por um momento insólito.

Publicidade
Publicidade

O modelo Jera Diarc, a desfilar para o designer Rick Owens, ergueu no meio da passerelle uma faixa em que dizia: Please Kill Angela Merkel Not. A construção frásica não permite perceber se o modelo pedia mesmo a morte da chanceler ou se estava de alguma forma a ser irónico.

Nos bastidores, o designer norte-americano Rick Owens, que assistiu ao momento, ficou irritado, sendo que após o desfile de Jera terá mesmo agredido o modelo. Em declarações ao jornal Women's Wear Daily, Owens assegurou que nada teve a ver com esta acção e de que tudo não se passou de uma opinião individual que não representa em nada a marca. Mais adiantou que a ironia desta acção concretizada pelo modelo é de que a colecção era de alguma forma sobre a violência masculina. Apesar disso, Owens garante que irá punir o modelo, uma vez que ele já trabalhava para si há mais de doze anos, segundo escreve o Diário de Notícias. Depois deste momento toda a restante colecção de Owens terá passado despercebida a quem assistia.

Publicidade

Owens, que na época passada revolucionou as passerelles por apresentar modelos que desfilaram com os seus órgãos genitais à mostra, pediu ainda aos jornalistas o favor de apagarem a mensagem das fotos, o que alguns sites de moda acederam.

Porém, esta não é já a primeira vez que as passerelles de Paris se enchem de actos insólitos. Em 2013, nomeadamente durante o desfile de Nina Ricci, duas activistas invadiram também o espaço com mensagens perturbadoras, como por exemplo: Moda Ditadura de Terror.