Homens armados atacaram dois hotéis em Sousse, cidade balnear na Tunísia, nesta sexta-feira, 26 de junho, . Pelo menos 27 pessoas morreram. Os indivíduos atacaram os hotéis de cinco estrelas Imperial Marhaba e Sovina e mataram 27 pessoas, a maioria turistas estrangeiros. Mais de dez pessoas foram ainda hospitalizadas com ferimentos diversos. As autoridades terão conseguido matar um dos atacantes. Para já não há registo de cidadãos portugueses entre as vítimas. #Terrorismo

As imagens de corpos cobertos na praia estão a percorrer o mundo, que está chocado com a notícia. Segundo o JN online, um elemento das forças de segurança do hotel viu que um dos homens, que conseguiram entrar nas praias privadas dos hotéis e começaram a disparar, estava armado com uma "kalashnikov" que e eram pelo menos dois atacantes, um dos quais foi morto pelas autoridades. O outro também já terá sido detido. O homem preparava-se para fugir por uma autoestrada junto aos hotéis.

O Expresso avança que, em declarações à Agência Reuters, o porta voz do ministro do Interior, Mohamed Ali Aroui, apontou este como um atentado terrorista. A Sousse, uma das principais zonas turísticas daquele país, banhado pelo mar Mediterrâneo, deslocam-se todos os anos milhares de turistas, sobretudo europeus. Naquela hora, na praia, estavam pessoas de várias idades, incluindo crianças, e há relatos de momentos de terror. Tiros, gritos e muita correria foi o cenário que se viveu esta sexta-feira em Sousse.

Este é o segundo ataque no espaço de três meses. Em março, num atentanto do Museu do Bardo, na capital da Tunísia, Tunes, morreram 18 pessoas. A 18 de março, um ataque terrorista provocou 18 mortos, 17 dos quais turistas. Na altura, os dois terroristas foram abatidos pela polícia.

Já em 2013, em outubro, um bombista suicida fez-se explodir numa praia em frente ao hotel Riadh Palms. Na altura, o homem terá tentado que a explosão fosse dentro do hotel mas foi considerado suspeito e na fuga para a praia acabou por explodir, causando a morte a turistas.