A atriz Brigitte Bardot é considerada como o grande símbolo sexual das décadas de 50 e 60. Após terminar a sua carreira de atriz dedicou grande parte da sua vida aos direitos dos #Animais e recentemente fez mais uma denúncia na defesa dos mesmos. De acordo com a APF, a conhecida atriz francesa denunciou que o Governo australiano pretende a morte destes #Gatos selvagens para proteger outras espécies em perigo. A notícia foi tornada pública há alguns dias, mas só agora é que está a começar a ganhar uma dimensão maior, até pela própria intervenção da atriz francesa.

A atriz escreveu uma carta ao Ministro do Ambiente da Austrália a condenar o massacre e o que considera ser um escândalo e uma vergonha.

Publicidade
Publicidade

A carta escrita pela atriz propõe igualmente uma solução que não implique a morte dos animais. Em vez de utilizar os recursos disponíveis para matar os gatos, estes devem ser utilizados para uma campanha de esterilização dos animais, que controlaria assim a sua reprodução. Este plano será executado ao longo dos próximos anos, até 2020.

O Ministério do Ambiente Australiano revela que chegou a esta solução devido ao facto dos gatos selvagens serem responsáveis pelo desaparecimento de outras espécies, classificando os gatos como um "tsunami de violência e de morte para as espécies indígenas da Austrália", mas garante que os gatos serão mortos da "forma mais humana e eficaz possível". Para além da morte dos gatos, o Ministério do Ambiente prevê a criação de espaços para renovar a população de pássaros e de mamíferos.

Publicidade

Os números apresentados revelam também que o número da população de gatos selvagens está estimado em 20 milhões e que são responsáveis pela extinção de 28 das 29 espécies de mamíferos do país e que mais 120 espécies nativas da Austrália estão em risco de extinção. Greg Hunt, Ministro do Ambiente, refere ainda que isto não é feito por ódio, mas sim porque é necessário para a preservação de outras espécies. O caso promete fazer ainda correr muita tinta na imprensa em todo o mundo. #Causas