Por vezes as situações de insegurança a que estamos expostos chegam de onde menos esperamos. No nosso dia-a-dia não estamos à espera que nos façam ameaças de morte, muito menos quando elas vêm de representantes de empresas que supostamente nos devem prestar um serviço de qualidade. O inexplicável aconteceu a Anna Kealey, utilizadora do serviço da Uber na zona de Londres.

Após cancelar uma corrida na Uber, a cliente recebeu uma mensagem de voicemail do motorista bastante ofensiva, mas não só no aspeto verbal. A dada altura, o homem refere que lhe cortará o pescoço se voltar a cancelar uma corrida. O jornal "Washington Post" publicou na íntegra a gravação do voicemail onde se pode ouvir as ameaças proferidas pelo motorista da Uber.

Publicidade
Publicidade

O mesmo ficheiro áudio está disponível no Soundcloud. Nesta gravação pode-se ouvir o motorista a proferir a frase "não volte a fazer isso… se o voltar a fazer corto-lhe o pescoço" ou a referir-se à cliente como uma idiota.

Anna Kealey tomou as devidas medidas e apresentou queixa do motorista na Uber e nas autoridades competentes, confessando que se sentiu mal com o conteúdo desta mensagem. Além disso, a mulher mostra-se preocupada e insegura porque o serviço foi pedido para a sua residência, logo o motorista sabe onde vive. A utilizadora da Uber confessou aos média que marcou a viagem às 11h00 para se encontrar com amigos, mas acabou por cancelar momentos depois referindo que por vezes tem ataques de pânico e decidiu ir a pé para se acalmar.

A Uber já reagiu publicamente a esta situação suspendendo de imediato o motorista em causa e em comunicado referiu que vai investigar esta situação a fundo.

Publicidade

Este mesmo comunicado indica que a Uber encoraja os seus clientes a fazer queixa de imediato nas autoridades quando acontecem estes casos e que a denúncia apresentada é anónima visto que todo o feedback que é dado através da aplicação, não estando a mesma acessível ao motorista. O porta-voz confirmou ainda que o número que fez o telefonema ameaçador já não está disponível. Anna Kealey mostrou-se agradada com a rapidez com que a empresa tratou do seu caso e com o acompanhamento que o mesmo está a ter. #Violência #Transportes Públicos