Samuel DuBose, um homem negro de 43 anos de idade, foi morto a tiro nos EUA. O incidente ocorreu na cidade de Ohio, a 19 de julho, na sequência de uma operação stop. O condutor que viajava sem matrícula foi mandado parar pelo agente Ray Tensing. Após a revelação do vídeo na passada terça-feira, dia 28, muitos são os protestos, alguns violentos, que surgiram nos EUA.

No vídeo que mostra o incidente, vê-se o polícia norte-americano a disparar contra o condutor negro por causa da falta de matrícula, situação que está a causar indignação nos EUA. Veja o vídeo:

O momento foi registado pela câmara incorporada que o polícia traz consigo e revela, inicialmente, uma conversa calma entre os dois.

Publicidade
Publicidade

A vítima foi mandada parar pelo agente Tensing, polícia da Universidade de Cincinnati, por falta de matrícula no veículo. Após parar, o condutor é questionado pelo polícia sobre a sua carta de condução e sobre uma garrafa que se encontra no chão do veículo. O condutor entrega a garrafa, mas não encontra a sua carta como prova de que está autorizado a conduzir.

É aqui que tudo se complica, quando o agente mandou Dubose sair do veículo e pôs a mão ao puxador da porta. O condutor, imediatamente, ligou o carro mostrando intenção de arrancar. O agente agarrou-se à janela do veículo e disparou contra o condutor, um tiro que foi fatal. Ray Tensing defende-se, afirmando que "Eu pensei que ia ser atropelado. Estava a tentar pará-lo”.

Em declarações ao The Guardian, o procurador de Hamilton, Joseph Deters disse:  “Ele não estava a lidar com uma pessoa procurada por homicídio, estava a lidar com uma pessoa com uma matrícula em falta.”.

Publicidade

“Se ele começou a avançar [com o carro], francamente, era deixá-lo ir. Não era preciso dar-lhe um tiro na cabeça”, defendeu Deters.

O polícia da Universidade de Cincinnati declarou que só estava a tentar parar o carro e tinha medo de ser arrastado. Mas as imagens do vídeo mostram que o carro arrancou devagar, não pondo em risco a vida do agente Ray. “Cremos que ele não foi arrastado. Se abrandarem a imagem do vídeo consegue-se ver o que aconteceu. O período entre o andamento do carro e o disparo da arma que atingiu o condutor é muito curto”, disse Deters aos repórteres nesta quarta-feira.

#Crime #Violência