É a notícia que está a marcar o dia e foi avançada pela televisão estatal grega. Alexis Tsipras vai falar ao país hoje, dia 20 de agosto, às 17:00 (hora de Lisboa), e deverá anunciar a demissão do executivo que lidera. Em causa estarão a divisão interna do partido e o resultado da última votação no parlamento helénico. Foram necessários votos da oposição, na última sexta-feira, para a aprovação do terceiro resgate financeiro à Grécia. Uma votação nada fácil para Tsipras, já que 43 deputados do Syriza votaram contra ou optaram pela abstenção.

O primeiro-ministro grego estará reunido com a sua equipa neste momento para definir o futuro da democracia grega.

Publicidade
Publicidade

Segundo vários títulos internacionais, incluindo a ERT, a demissão servirá para unir o partido e reforçar o poder do Syriza nas próximas eleições. É que as sondagens dão a maioria absoluta ao partido de Tsipras, se for esse o desfecho.

A instabilidade dentro do Syriza deixa Tsipras numa posição difícil, mantendo ainda assim a popularidade junto do povo helénico. 

Recorde-se que o montante do terceiro resgate à Grécia ascenderá aos 86 mil milhões de euros. O país pagou hoje 3,2 mil milhões de euros ao Banco Central Europeu, um reembolso referente às obrigações do tesouro a cinco anos que venciam esta quinta-feira. Os parlamentos holandês e alemão votaram favoravelmente o terceiro resgate esta quarta-feira e encerraram desta forma uma ronda de votações nos vários parlamentos nacionais da Zona #Euro.

Publicidade

Assim, todos os líderes ratificaram o documento que permitiu libertar 23 mil milhões de euros para os cofres gregos. 

Hoje Atenas recebeu esta tranche e a distribuição da verba já é conhecida: 10 mil milhões serão utilizados na capitalização do sector bancário e o valor remanescente servirá para liquidar dívida a credores e saldar encargos internos em atraso.

As datas já avançadas para as legislativas apontam o mês de Setembro do ano corrente e os dias 13 ou 20. Ainda assim, há quem defenda eleições em Outubro ou Novembro, dentro do próprio Syriza. #Política Internacional