A perseguição policial iniciada hoje, 26 de Agosto, ao suspeito do duplo homicídio que ocorreu no estado norte-americano de Virgínia terminou. O atacante tentou a fuga durante cinco horas acabando depois por disparar sobre si mesmo, contudo veio a falecer apenas no hospital devido à gravidade dos ferimentos. Eram cerca das 06h45, menos cinco horas que em Lisboa, quando a jornalista e o operador de câmara foram atingidos a tiro durante a transmissão de um direto. O autor do duplo homicídio foi identificado como Vester Lee Flanagan, antigo colega das vítimas.

Alison Parker de 24 anos e Adam Ward de 27 conduziam hoje uma entrevista em direto do centro comercial Bridgewater Plaza quando foram mortos a tiro. As vítimas trabalhavam no canal local WDBJ7.

Publicidade
Publicidade

A identificação do atacante só foi possível devido aos variados posts que o mesmo fez depois de ter cometido o #Crime. Nas redes sociais o autor deste atentado colocou um vídeo do momento em que atirou sobre as vítimas, escrevendo ainda sobre os comentários racistas que as vítimas haviam feito sobre si.

Identificado como Vester Lee Flanagan, este homem de 41 anos foi colega, durante um ano no canal WDBJ7, das duas vítimas mortais. Apesar de ainda não haver confirmação suspeita-se que as causas que levaram a este crime estejam relacionadas com comentários racistas que as vítimas poderão ter proferido sobre o atacante, conhecido na altura em que trabalhava na estação televisiva por usar outra identidade, Bryce Williams.

Depois do ataque, colocou-se em fuga num Ford Mustang de 2009, mas com a perseguição policial acabou por embater.

Publicidade

Quando a polícia se aproximou reparou nos ferimentos de bala. Vester foi ainda transportado para o hospital Inova Fairfax, no norte do estado, onde veio a falecer ao início da tarde.

Em declarações ao The Guardian, Jeff Marks, presidente do canal, assegurou que Vester “era um homem infeliz. Demos-lhe trabalho como repórter e tinha talento e alguma experiência, apesar de ter estado fora da área por algum tempo”, escreve o jornal Expresso.

Já em 2014, quando foi afastado do canal, Vester processou a estação por discriminação, mas o caso acabou por ser arquivado em Julho do mesmo ano. Também em 2000 avançou com uma queixa por discriminação na WTWC-TV, filial da NBC. Antes do crime, Vester enviou ainda um manifesto para o canal ABC que foi já entregue ao FBI. #EUA