O furacão Fred, que nos últimos dias atravessou Cabo Verde, deixou marcas de destruição. A intempérie deixou 50 famílias desalojadas e provocou estragos em diferentes ilhas do arquipélago africano. Entretanto, e de acordo com a TVI24, o Fred passou a tempestade tropical e afastou-se do território cabo-verdiano. De acordo com o Primeiro-ministro de Cabo Verde, José Maria Neves, a passagem do furacão Fred provocou a destruição das casas de cerca de 50 a 60 famílias no conjunto de todas as ilhas. Além disso a intempérie provocou igualmente danos em estradas, portos e aeroportos do arquipélago.

Numa conferência de imprensa que decorreu após uma primeira reunião interministerial, o Primeiro-ministro comunicou aos jornalistas que foram analisados os primeiros dados dos efeitos nefastos da passagem do furacão pelo arquipélago.

Publicidade
Publicidade

José Maria Neves confirmou igualmente que estavam a ser tomadas as medidas necessárias para acompanhar as famílias que perderam a sua habitação.

O arquipélago de Cabo Verde viveu dias de grande angústia com a passagem do Fred, o que obrigou as autoridades do país a declararem o nível de alerta máximo. Entretanto começaram a surgir alguns vídeos na internet que demonstram a destruição e a força do furacão.

Devido ao Fred as autoridades foram obrigadas a cortar várias estradas no interior de Santiago, nas localidades de Rocha Lama e Santa Cruz. As enxurradas que resultaram do furacão foram dos problemas mais complicados de gerir e prolongaram-se até segunda-feira. Actualmente é a ilha de São Vicente que ainda está sobre maior atenção das autoridades cabo-verdianas. No que diz respeito às autoridades marítimas do país, as maiores preocupações voltam-se para as ilhas da Boavista e do Sal.

Publicidade

De acordo com a RTP, e segundo as informações difundidas pelo National Hurricane Center (NHC) nos Estados Unidos, a tempestade distanciava-se do arquipélago. Pelas duas horas da manhã de terça-feira (meia-noite em Lisboa) estava a 90 km a norte da ilha de Santo Antão. A instituição prevê que ao longo das próximas 48 horas os ventos continuem a diminuir de intensidade. #Catástrofes Naturais