O caso que indignou a França em 2011 voltou a ser assunto no dia hoje, 10 de Setembro, uma vez que por estes dias se terá iniciado o julgamento de Cristophe Champnois e Charlene Cotte. Este casal ficou conhecido em 2011 por ter colocado o filho de ambos, Bastien, de apenas três anos, numa máquina de lavar e tê-lo levado à morte depois de ligar o aparelho num programa de centrifugação. Esta #Família estava a ser acompanhada pelos serviços sociais franceses que, de alguma forma, também ignoraram os vários avisos do pai do menor. Desde o dia do #Crime que os pais de Bastien, os presumíveis autores do crime, estão detidos sob custódia até ao julgamento que agora começou.

Publicidade
Publicidade

Entre 30 minutos a uma hora foi o tempo que Bastien esteve dentro da máquina de lavar roupa, depois de o seu pai o ter colocado lá por se ter portado mal na creche. Segundo escreve o Jornal de Notícias, baseado na informação de um vizinho que agora testemunhou em tribunal, “Bastien não morreu por #Afogamento, mas devido ao impacto do programa de centrifugação. Gritou durante cerca de dez minutos. O pai estaria a navegar na internet e a mãe está acusada de ter ignorado os gritos”.

Terão comunicado às autoridades que o filho tinha caído das escadas, sendo que depois mudaram a história para um afogamento na banheira. Porém, foi a coragem da irmã mais velha de Bastien que acabou por confirmar a história. O pai tinha-o colocado na máquina de lavar.

Esta família estava a ser acompanhada pelos serviços sociais franceses e não era a primeira vez que o pai do rapaz levantava a hipótese de vir a fazer alguma maldade com a criança.

Publicidade

Terá inclusive deixado uma mensagem gravada para a assistente social, dizendo que ia atirar o filho de uma altura considerável, não importando o tempo que pudesse vir a passar preso. Ela não a ouviu, por alegadamente estar de baixa médica.

O caso tem revoltado ainda mais a comunidade uma vez que o pai da criança terá dito estes dias em tribunal não se lembrar de ter colocado o filho lá dentro. Como pode um pai cometer um crime destes contra o seu próprio filho?