Morreram pelo menos 717 peregrinos e 850 ficaram feridas nesta quinta-feira de manhã, dia 24 de setembro, em Mina, local onde é realizado o ritual do “Apedrejamento do Demónio”. Segundo o Expresso, os peregrinos entraram em debandada quando, num túnel que dá acesso a uma das três lápides que representam o diabo e que os fiéis devem apedrejar, um grande grupo tentava sair e se cruzou com outro que estava a entrar. Os peregrinos foram caindo uns em cima dos outros e o facto de muitos deles usarem guarda-chuvas para se protegerem do sol aumentou o risco.

Segundo a Defesa Civil do país, seis das suas equipas estão no terreno para direcionar o fluxo de peregrinos para outras rotas.

Publicidade
Publicidade

Foram também abertos dois centros médicos em Mina para dar assistência aos feridos, sendo que 220 ambulâncias e mais de 4000 trabalhadores de serviços de emergência foram enviados para o local.

43 cidadãos iranianos encontram-se entre as vítimas mortais, anunciou o Ministério dos Negócios Estrangeiros do país. As autoridades sauditas são acusadas pelo Executivo do Irão de negligência e foi convocada uma reunião de emergência. “Não podemos, de modo algum, ser indiferentes a este comportamento irresponsável da Arábia Saudita. Trata-se de um assunto que será tratado por via diplomática”, afirmou o vice-Ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Hossein Amir Abdollahian, citado pela Reuters.

No passado dia 11 de setembro, 111 pessoas perderam a vida e 394 ficaram feridas na zona da Grande Mesquita de Meca, quando uma grua caiu no terceiro andar da Grande Mesquita antes da oração das 18h30 locais (16h30 em Lisboa).

Publicidade

Nesse momento, a mesquita encontrava-se cheia de fiéis.

O ritual de apedrejamento de Santanás, no vale de Mina, no oeste da Arábia Saudita, consiste em atirar sete pedras no primeiro dia do Eid al-Adha contra uma grande coluna que representa o Diabo e mais 21 no dia seguinte ou nos dois dias seguintes contra as três colunas, todas de dimensões diferentes. A peregrinação está entre os cinco pilares do Islamismo e todos os muçulmanos devem realizá-la pelo menos uma vez na vida.

A peregrinação anual a Meca atrai milhões de muçulmanos de todo o mundo e representa sempre um grande perigo, sendo que é marcada por diversos acidentes fatídicos, alguns decorridos em Mina. A última #Tragédia do género aconteceu em 2006, onde 364 peregrinos morreram numa debandada durante este mesmo ritual. É de relembrar que também já houve tragédias na peregrinação a Fátima.  #Religião