É uma das descobertas mais arrepiantes, surpreendentes e recentes. Na cidade de Colloney, não muito distante da capital irlandesa (Dublin), uma árvore com dois séculos caiu por causa de uma tempestade. Nas suas raízes, a equipa arqueológica Sligo-Leitrim descobriu um esqueleto de um homem. Os restos mortais estão a ser examinados, mas já se conhecem alguns resultados.  

Através de análise de radiocarbono já é possível concluir que a pessoa em questão viveu entre 1030 e 1200 d.C. Quando faleceu teria entre os 17 e os 20 anos. Apresentava lesões nas costelas e nas mãos, que foram provocadas por uma faca ou por uma espada. Deve ter tido uma morte muito dolorosa.

Publicidade
Publicidade

Citando o site Brasilpost, "teve um enterro cristão formal".

Para já ainda não se sabe se o seu triste fim foi resultado de um combate, de um homicídio ou de um desentendimento pessoal. No entanto, já foi possível saber que tinha problemas na coluna, o que significa que esteve sujeito a grandes esforços físicos desde muito cedo.

O jovem apresentava uma altura invulgar para a época em que viveu: 1,78 metros. A sua origem, embora não seja certa, de acordo com os arqueológos, deveria ser de uma família gaélica local.  

"Tratando-se de uma escavação era certamente uma situação incomum. A parte superior do esqueleto foi levantada no ar, ficando preso dentro do sistema radicular", revelou ao jornal Irish Tim Marion Dowd, um dos elementos da equipa arqueológica envolvida no processo da descoberta e de análise do esqueleto.

Publicidade

Ao mesmo jornal, Dowd refere que "os ossos inferiores da perna, no entanto, permaneceram intactos no solo. Efetivamente, quando a árvore desabou, partiu o esqueleto em dois". 

Apesar de não serem conhecidos outros enterros naquela zona, existem informações antigas que apontam para a provável existência de um cemitério e de uma igreja. 

Uma semana antes desta descoberta, noutra localidade irlandesa, os arqueólogos descobriram os ossos de uma criança (entre os 4 a 6 anos) e de um homem (entre os 30-39 anos). Terão vivido há cerca de 5500 anos. #História #Insólito