O desfecho de um caso criminal (que ocorreu no ano passado, em novembro) está a chocar e a indignar vários advogados e organizações no Reino Unido. Jade Hatt, uma babysitter de 21 anos de idade, terá resolvido, numa manhã, ter relações sexuais com um rapaz de 11 anos que tinha ao seu cuidado. Mais tarde o pai da criança terá feito a denúncia às autoridades, apesar de, curiosamente, ter defendido Jade em tribunal. O juiz decidiu que a imaturidade de Jade e a maturidade da vítima reduzia significativamente a diferença de idades entre os envolvidos no caso. Jade foi ilibada, no entanto irá ingressar na lista de abusadores sexuais durante sete anos e não poderá ter qualquer contacto com menores sem qualquer supervisão.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o The Telegraph, Jade chegou a tomar conta do rapaz em seis ou sete ocasiões. O ato terá ocorrido na última vez que Jade ficou a tomar conta da criança. Segundo consta, num dia às 11h30 da manhã, o rapaz não teria ido à escola tendo ficado na cama. Jade apareceu e ter-se-á sentado em cima da vítima, despindo as suas roupas e depois despindo as da sua vítima. Após a violação, a babysitter comentou que tinha gostado da experiência, no entanto a vítima replicou o contrário, dizendo que tal tinha sido "errado".

Curiosamente o pai da criança abusada defendeu a babysitter em tribunal afirmando que o rapaz terá dito a Jade que tinha 15 anos de idade e que o seu filho estaria ansioso pela experiência. O progenitor afirma ter descoberto o sucedido quando viu um chupão no pescoço do filho, bem como várias sms de Jade no telemóvel da criança bastante reveladoras. O pai da vítima terá também tido um envolvimento sexual com Jade muito antes do sucedido.

Publicidade

Várias pessoas, incluindo o pai da criança violada, descrevem Jade como bastante imatura para a sua idade, afirmando que a sua mente não funciona conforme a sua idade. A acusada também terá alegado que a vítima lhe havia mentido em relação à sua idade.

O caso está a ser criticado e controverso no Reino Unido, onde teve lugar. Várias críticas têm sido feitas à decisão final do júri, muitas das quais apontam que os casos, nos quais as mulheres que praticam crimes sexuais, tendem a ser tratados com mais ligeireza comparativamente a crimes nos quais o arguido seja um homem. #Justiça #Crime