Na sequência dos vários ataques a tiro e de bombistas-suicidas que ocorreram nesta sexta-feira dia 13/11 em França, onde pelo menos 129 pessoas perderam a vida - entre as quais dois portugueses - e 350 ficaram feridas, ficando 42 pessoas ainda em estado muito grave, o grupo Anonymous não demorou a responder directamente através de um vídeo que foi carregado para o canal do YouTube. Nesta declaração dirigida ao Estado Islâmico o grupo considera que "é um autêntico crime contra a humanidade o que aconteceu". 

"Foi um acto de cobardia contra a humanidade, condenamos estes actos contra a vida e a liberdade", dizem, garantindo também: "Estamos unidos como um ato de homenagem às pessoas que perderam a vida nestes atentados".

Publicidade
Publicidade

"Anonymous de todo o mundo, vamos manter-nos fortes e unidos para chegar à verdade, e os culpados serão acusados com máximo castigo sobre a lei" é outra das frases no comunicado que foi feito no vídeo que foi carregado horas depois do massacre que França enfrentou. 

Em resposta aos atentados que aconteceram um pouco por toda a cidade de Paris, foi declarada guerra aberta ao Estado Islâmico. Uma ciberguerra nunca antes vista, em que grupo Anonymous promete denunciar tudo e perseguir todas as pessoas que apoiam e que estão do lado do Estado Islâmico, para que não aconteça mais nenhum massacre contra a humanidade. 

No vídeo que carregaram para o YouTube os Anonymous afirmam que vão cumprir estas promessas. Comunicaram também que vão perseguir e lutar contra os delinquentes que apoiam estes grupos e estas formas de fazer guerra e salientaram que irão actuar e lutar dentro e fora das suas fronteiras.

Publicidade

Destacaram também no vídeo que não iriam deixar que estes actos saíssem impunes, que iriam desvendar a verdade a todas as pessoas e a todo o mundo: "Vamos denunciar tudo o que conseguirmos, para evitar mais catástrofes", afirmam.

Informaram também que não iriam esquecer os actos cobardes e que acima de tudo queriam paz, não só em França ou nos locais onde aconteceram os atentados, como também em  todo o mundo. #Terrorismo