Na manhã desta sexta-feira, homens armados sequestraram cerca de 140 hóspedes do hotel Radisson e ainda mais 30 funcionários, afirma um dos responsáveis pelo grupo hoteleiro Rezidor. Pelo menos 80 dos 170 reféns terão sido libertados pelos homens aramados. Foram confirmadas três mortes de hóspedes pelas mãos dos terroristas, e o número tende a aumentar nas próximas horas, avança o porta-voz do ministério da segurança interna da capital.  

As forças armadas lançam um apelo aos jornalistas e aos curiosos "para que não se aproximem do hotel, a intenção é libertar uma dezena de pessoas", acrescenta a porta-voz aos meios de comunicação social.

Publicidade
Publicidade

"A nossa maior preocupação é garantir a segurança de todos os hóspedes e empregados do hotel. Estamos em constante contacto com as autoridades e atualizaremos as informações assim que as tivermos", afirmou o responsável pelo hotel Radisson.

Uma testemunha de nacionalidade francesa, numa entrevista ao canal francês France24, descreve "uma situação horrível" e diz que viu "vários corpos nos corredores." Também um luso-ascendente, que vive no Mali, descreveu a situação ao jornal da Tvi24: "Tomaram o hotel de assalto onde se encontram cerca de 170 pessoas. De acordo com as últimas informações que temos, existem 3 mortes aparentemente. Há um grande cerco por parte das autoridades que impede que se aproximem da zona do hotel. Não tive oportunidade de ver nada esta manhã. Os malianos estão surpreendidos, pois não parecem que saibam muito bem o que se está a passar dentro do hotel e ainda é tudo muito fresco...".

Publicidade

O português afirmou que ainda iria se encontrar por mais alguns dias no Mali, mas que já tem marcada a viagem de regresso.   

O Governo português confirma que não existem vítimas portuguesas envolvidas no sequestro. A embaixada francesa deu conta de "explosões e tiros dentro do hotel e alertou os seus cidadãos para permanecerem fechados em casa".  De igual forma, a congénere norte-americana instou as pessoas a “refugiarem-se e abandonarem de imediato a cidade”. #Terrorismo #Crime