Donald Trump já manifestou a sua reação aos atentados de Paris em duas declarações que estão a gerar reações de revolta. As suas declarações ocorreram no sábado, após os ataques em Paris que decorreram a 13 de novembro resultando em 129 mortos e mais de 350 feridos. De acordo com o Terra, o autarca associou os atentados aos refugiados sírios que estão a entrar progressivamente na Europa e criticou a política francesa que restringe a posse de armas. Trump acredita que se o povo francês tivesse direito ao uso e porte de arma, a situação que decorreu em Paris teria tido um desfecho diferente. As suas declarações, que tiveram lugar em Beaumont no Texas, estão recheadas de controvérsia, com várias pessoas a manifestarem apoio às palavras de Trump.

Publicidade
Publicidade

"Terrível" foi a palavra utilizada frequentemente pelo candidato republicano ao longo do seu discurso para descrever os atentados em Paris, pedindo inclusive um minuto de silêncio pelas vítimas dos massacres. No entanto, apesar de lamentar e condenar a tragédia, o autarca teceu críticas à política de controlo de armas que existe em França. Na sua ideia, se as vítimas dos massacres tivessem acesso a armas poder-se-iam defender dos atacantes do Estado Islâmico. Donald acha que "ninguém tinha armas, exceto os maus", achando que esse foi um factor que permitiu a dimensão desta tragédia.

Trump ainda aproveitou para associar o tema dos atentados de Paris aos refugiados sírios, salientando o facto de um dos participantes nos atos ter sido detentor de um passaporte oriundo da Síria.

Publicidade

Além de achar que muitos dos refugiados apenas trarão problemas aos países que os acolherem, Donald aproveitou para criticar o atual Presidente dos #EUA, Barack Obama, pela sua decisão em acolher cerca de 250 mil refugiados sírios. 

As palavras do candidato têm sido recebidas quer com palavras de apoio, quer com duras críticas. De acordo com o Jornal i, uma cidadã francesa chegou mesmo a comentar as palavras de Trump, descrevendo o seu discurso como "vergonhoso" e sem respeito.

Donald Trump ainda tem presente a ideia de construir um muro entre os Estados Unidos e o México, por forma a existir maior controlo sobre a entrada de imigrantes ilegais oriundos da América Latina. O candidato pretende que esse muro, se alguma vez for construído, seja batizado com o seu último nome. #Terrorismo #Política Internacional