No passado dia 30 de Outubro teve origem um incêndio em Bucareste, capital da Roménia, na discoteca “Colectiv” que ficou arrasada provocando mortos e feridos graves. O número de vítimas mortais subiu para 41, a acrescentar às mais de 150 feridas.

O #Incêndio decorreu durante um concerto de rock, durante os festejos de Halloween, no qual estavam a decorrer efeitos pirotecnicos, o que estão na causa primordial da catástrofe.

No decorrer de uma explosão instaurou-se o pânico geral, o que originou a um “atropelamento” das pessoas no local, provocando danos muito maiores. Neste tipo de situação que gera o pânico em massa é comum que o número de mortos seja elevado. Um caso idêntico ocorreu em 2013 no Brasil, no Estado do Rio Grande do Sul, na boate "Kiss" que originou 231 mortos.

Publicidade
Publicidade

Esta boate possuía também apenas uma única porta de saída, o que levou ao pânico geral, tendo os bombeiros que abrir um buraco na parede para ajudar no resgate das pessoas. 

Um inquérito policial toma nota de graves falhas na segurança, nomeadamente a existência de uma única porta aberta, sem qualquer saída de emergência, e a presença de materiais inflamáveis no isolamento acústico, o que poderá explicar a rápida propagação do fogo pelas paredes e teto. Salienta-se que o local não teria licença para espetáculos pirotécnicos e musicais.

Os proprietários da discoteca romena encontram-se, desde terça-feira, detidos com acusação de homicídio involuntário.

Ao mesmo tempo que damos nota do aumento do número de mortos, milhares de pessoas na Roménia manifestam-se contra a corrupção política. Manifestação que decorre do acidente sucedido na discoteca, sendo que se ouviam milhares de jovem a gritar "Roménia, acorda!", "Colectiv!".

Publicidade

Mais de três milhares de pessoas foram para a Praça da Universidade gritar por mudanças profundas na sociedade e, principalmente, por uma revolução na política que consideram corrupta. Estes manifestantes imputam-lhes, ainda, a responsabilidade pelo incêndio ocorrido na discoteca romena.

Uma centena de pessoas, principalmente jovens, está hospitalizada, sendo que 40 se encontram em estado grave. #Causas