Segundo o governo russo, a Turquia estará a contribuir para o financiamento do Daesh. Esta informação foi avançada ontem (quarta-feira, 2) pela agência noticiosa Sputnik, que revela imagens aéreas, fornecidas pelo governo russo, mostrando extensas fileiras de tanques de combustível a atravessar livremente a fronteira com a Turquia. Na conferência de imprensa, realizada ontem à tarde (divulgada mundialmente, veja o vídeo abaixo) pelo ministério da defesa russo, o ministro da defesa Anatoly Antonov explica que o Daesh rouba o petróleo aos seus proprietário legais na Síria e no Iraque. A matéria-prima é depois transportada até refinarias localizadas no território turco junto à fronteira, nomeadamente até portos turcos no Mediterrâneo e à refinaria de Batman, a norte.

Publicidade
Publicidade

O ministro da defesa acrescentou ainda que é possível que Erdogan negue estas provas, mesmo que lhe “esfreguem a cara em petróleo roubado”, acusando também o envolvimento do seu filho, Bilal Erdogan, que é dono de uma das maiores companhias petrolíferas, e o seu genro, Berat Albayrak, atual ministro da energia. Estas informações foram divulgadas após o Presidente turco ter assumido, esta semana, que se demitiria perante evidências que comprovassem o envolvimento da Turquia na compra ilegal de petróleo a membros do Daesh.

Nos últimos anos, o poder militar crescente do Daesh levantou inúmeras questões acerca das suas fontes de financiamento. Muitos analistas admitem que a maior parte do financiamento deste grupo terrorista provém da venda ilegal de petróleo, sendo que as restantes fontes terão origem em redes criminosas de extorsão, resgates e doações de origem ainda desconhecida.

Publicidade

Na conferência desta tarde, o ministro da defesa lançou um desafio aos líderes e órgãos de comunicação social internacionais, com a seguinte declaração:

“Estou certo de que irão haver reivindicações de que tudo o que viram aqui é falso. Bem, se tal não existe, eles [Turquia] devem garantir acesso aos locais que nós mostramos hoje aos jornalistas”.O ministro dos negócios estrangeiros russo, Sergei Lavrov, já afirmou que “os factos que confirmam estas declarações serão formalmente apresentados às Nações Unidas e a todos os países interessados”. #Terrorismo #Política Internacional