Os #EUA foram alvo de mais um tiroteio, esta quarta-feira, dia 02 de Dezembro de 2015, num local que presta serviços de apoio social a pessoas com deficiência, o Inland Regional Center, em San Bernardino, no sul da Califórnia que se situa 100 quilómetros a leste de Los Angeles. Foram anunciadas 14 mortes e 17 pessoas feridas.

Esta inesperada tragédia ocorreu durante a festa de natal dos funcionários na sala de conferências do estabelecimento. Enquanto decorria o evento o local foi invadido por um grupo de homens armados, com armamento russo idêntico ao utilizado nos tiroteios em Paris, com roupas de aspeto militar e, segundo consta, coletes anti-bala.

Publicidade
Publicidade

Dispararam sem destino pelos ocupantes do local. Após este clima de terror, os atacantes conseguiram fugir e instalou-se a busca dos suspeitos por todo o estado da Califórnia. 

Ao condado de San Bernardino foram cortados todos os acessos pela auto-estrada, e também os hospitais, escolas e repartições públicas foram encerradas de forma a evitar eventuais incidentes e manter a população com a maior segurança possível. Esta repartição pública apoia pessoas com necessidades especiais e nela trabalham cerca de 600 funcionários, os quais foram retirados com segurança pela polícia que atuou de imediato no local. No edifício foi ainda encontrado um pacote suspeito pelo robot da brigada de minas e armadilhas que se pensava ser um explosivo.

Foi também referido que este não foi o único tiroteio. A Georgia foi também alvo de um ataque que fez um morto e três feridos.

Publicidade

Esta situação torna-se cada vez mais frequente nos EUA, que se deparam com um elevado número de tiroteios anualmente. Só este ano já se registaram 355 tiroteios e o número aumenta a cada dia.

Barack Obama já falou sobre o assunto e refere  que "Há medidas que nós podemos tomar, não para eliminar todos estes tiroteios, mas para melhorar as possibilidades de não ocorrerem com esta frequência", declarou na estação televisiva CBS.

 

Atualização

Os dois atiradores foram entretanto identificados e mortos pela polícia.

"O primeiro é Syed Rizwan Farook e tem 28 anos. Disseram-me que nasceu nos Estados Unidos", disse Jarrod Burguan, o chefe da polícia de San Bernardino, em conferência de imprensa, acrescentando que "a pessoa que estava com ele é uma mulher, chama-se Tashfeen Malik" e tem 27 anos.