Abul Bajandar, de 26 anos de idade, oriundo de Khulna, no Bangladesh, padece de uma doença rara desde os 15 anos. Conhecido como homem-árvore, encontra-se de momento sob cuidados médicos no maior hospital público (o Hospital Universitário) da cidade de Daca, a capital daquele país do extremo Sul da Ásia. A Epidermodisplasia Verruciforme é uma doença rara que origina o crescimento de verrugas na pele de um ser humano e é causada por um vírus de nome Papiloma Vírus Humano (HPV), que é de carácter genético da pele. A pele apresenta verrugas que geralmente não são dolorosas e que podem desaparecer sem qualquer intervenção cirúrgica. Podem surgir em qualquer parte do corpo e podem ter tamanho e formato diferentes, podendo ser de superfície lisas ou rugosas.

Publicidade
Publicidade

A doença pode apresentar diversos tipos, tais como Verruga Plantar, Verruga Genital, Verruga Periungueal, Verruga Subungueal, Verruga Comum, Verruga Filiforme, Verruga Vulgar e Verruga Plana.

Uma equipa de cirurgiões, dermatologistas e alguns especialistas vai realizar durante as próximas semanas possíveis cirurgias para a remoção das verrugas que deformam os membros superiores e inferiores do jovem, pai de uma menina de três anos de idade. 

Abul, famosamente apelidado de “homem-árvore” pelas suas enormes verrugas em forma de raízes de árvores nos seus membros, afirmou ao jornal local (The Daily Star), que tem padecido da enfermidade desde os seus 15 anos. Com o passar do tempo, os seus membros foram deformados, facto que o levou a abandonar a sua profissão como motorista, passando deste modo a ser totalmente dependente dos cuidados da sua esposa e mãe.

Publicidade

De referir que este tratamento foi possível graças à intervenção de um jornalista local, que ajudou o jovem a chegar ao Hospital Universitário de Daca, depois de inúmeras tentativas dos seus familiares em busca de um possível diagnóstico da doença em Calcutá, na índia, devido às frequentes dores causadas pelas verrugas.

Segundo o canal BBC Brasil, Samanta Lal Sen, médica que dirige a unidade de queimados do Hospital Universitário de Daca, afirmou que o caso de Abul é o primeiro diagnosticado no Bangladesh e assegurou que o seu tratamento será gratuito.

Até agora foram diagnosticados três casos desta doença em todo mundo, sendo o primeiro registado em 2007 na Europa (Roménia) e dois casos entre 2007 e 2009 na Ásia (Indonésia).  #Casos Médicos