Ahmed Mansour Qurani Ali, de quatro anos de idade, fez parte do grupo de 116 egípcios condenados por crimes associados a protestos ocorridos em 2014. À data da prática dos crimes pelos quais foi condenado, Ahmed teria apenas um ano e meio de idade. Ainda assim, e mediante diversas provas da identidade do arguido, o tribunal cairota julgou e condenou a criança nascida em 2012 por alegados crimes de tentativa de homicídio, incitamento a motins e destruição de propriedades estatais.

De acordo com Ramadan Farhat, um dos advogados de defesa dos arguidos, a apresentação dos documentos que comprovam a idade da criança foi recusada e ignorada pelo tribunal.

Publicidade
Publicidade

Uma semana após a condenação de Ahmed Ali, as autoridades egípcias já corrigiram o erro – um lapso com nomes semelhantes colocou a criança de quatro anos no lugar de Ahmed Mansour Qurani Sharara, um jovem de 16 anos que participou em protestos contra o presidente egípcio Abdul Fattah El-Sisi. Ahmed Sharara passará o resto da vida na prisão, cumprindo pena pelo motim em que participou a 3 de Janeiro de 2014 e pelos crimes de tentativa de homicídio e vandalismo de propriedades do Estado egípcio. 

Desde a subida ao poder de Abdul Fattah El-Sisi que se registaram diversos motins e, consequentemente, milhares de detenções e julgamentos de cidadãos egípcios. Segundo a Amnistia Internacional, cerca de 12 000 pessoas foram detidas e severamente julgadas, e mais de 1200 egípcios terão sido condenados à morte em processos judiciais que revelaram graves irregularidades e incongruências no sistema judicial do país.

Publicidade

No passado mês de Janeiro, cinco activistas egípcios, incluindo o poeta Ahmed Said, foram condenados a dois anos de prisão por terem feito parte de um protesto contra o governo em 2015. Acredita-se também que poderão existir outros casos idênticos ao de Ahmed Ali como consequência de erros judiciais, sendo este "mais um exemplo da natureza arbitrária injusta presente no sistema judicial do Egipto", aponta a Amnistia Internacional no seu site oficial.

 

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Criança emociona o mundo com carta dirigida ao pai alcoólico #Justiça #Insólito #Direitos