A tragédia ocorrida ontem, 13 de Março, provocou um total de 22 mortos, sendo 14 cidadãos civis. Um grupo de atacantes fortemente armados entrou no complexo turístico do hotel Etoile du Sud, em Grand-Bassam (a 40km de Abidjan), e dispararam sobre os hóspedes que se encontravam no local. O ataque ocorreu numa das zonas de praia abrangidas pelo complexo, que é bastante frequentada por turistas ocidentais e expatriados nesta época do ano.

Os hóspedes foram surpreendidos pelos disparos, tendo fugido assim que se aperceberam de que era um ataque. Segundo o relato de uma testemunha, havia quatro atacantes a correr pelo areal, enquanto disparavam com espingardas sobre os turistas.

Publicidade
Publicidade

Várias pessoas relataram aos meios de comunicação que os atacantes gritavam "Allahu Akbar" (Alá é grande), pelo que se julga tratar-se de um atentado provocado por extremistas islâmicos.Segundo o site Connexion Ivoirienne, os disparos iniciaram-se num hotel e continuaram para outros dois na mesma área.

Alguns vídeos foram partilhados de imediato nas redes sociais, dando conta do pânico vivido em Grand-Bassam.

O presidente Alassane Ouattara anunciou aos meios de comunicação social a morte dos seis atacantes, todos abatidos pelas autoridades locais. Dois membros das forças especiais foram abatidos pelos terroristas, tendo sido um "balanço pesado", segundo o presidente.

Também a duquesa Diana de Cadaval e o seu marido, duque d'Anjou, estavam no complexo e viveram momentos de terror. Na rede social Facebook, o duque Charles Philippe d'Orléans descreveu a situação como "um dia de praia que se transformou em terror".

Publicidade

Na mesma publicação, o marido da duquesa afirmou que estavam "ilesos e acabados de chegar ao hotel em Abidjan". Já em declarações à revista francesa Paris Match, contou que "o primeiro tiro parecia um foguete. Havia uma multidão enorme na praia e toda a gente ficou petrificada. Depois, houve um segundo tiro e todos começaram a correr".

O ataque de domingo assemelha-se ao ocorrido em Sousse, na Tunísia, no passado ano. A 26 de Junho de 2015, um grupo de atiradores ligados ao Estado Islâmico entrou na praia do resort Port El Kantaoui, causando 38 mortos. Entre as vítimas estava uma portuguesa, Maria da Glória.  #Terrorismo