Desde o ataque ao jornal satírico francês Charlie Hebdo, em Janeiro do ano passado, que a Europa vive em sobressalto com os possíveis ataques terroristas. Depois da França, agora a Bélgica. O coração do Velho Continente foi atingido pelos terroristas em três explosões que tiraram a vida a mais de 30 pessoas. É certo que a vida tem que continuar e mostrar medo será o pior, mas devemos ser satíricos com a situação?

O conhecido jornal ironizou, para alguns de forma errada, com os atentados da passada semana em Bruxelas. Na capa do seu próximo número, que vai para as bancas amanhã, dia 30 de Março, os franceses colocaram Stromae, um dos músicos mais conhecidos da Bégica.

Publicidade
Publicidade

A publicação faz ainda referência a uma das músicas do cantor, Papa où tés? (Pai onde estás).

De acordo com o site da revista Sábado, é ainda possível ver na capa do Charlie Hebdo, junto à caricatura do cantor belga, “membros mutilados das vítimas à sua volta”. Em resposta à questão colocada pela música do rapper, os membros vão respondendo “aqui” ou “ali”.

Numa vinheta inscrita no lado esquerdo da publicação pode ainda ler-se “Bélgica Desorientada”.

Como já é habitual, o jornal responde uma vez mais com humor negro aos atentados de Bruxelas. Porém, as opiniões não se fizeram esperar e começaram a surgir os comentários de quem repudia a capa da publicação francesa.

Conforme escreve a Sábado, os media belgas consideram que o próximo número do Charlie Hebdo é “um caso de humor negro sem limites”.

Publicidade

Entre algumas das críticas que foram surgindo nas redes sociais podem ler-se pedidos de proibição da publicação ou ainda de repugnância.

Recorde-se que após grandes acontecimentos que marcaram a Europa, como o ataque ao próprio jornal, a morte de Aylan Kurdi ou até mesmo os atentados a Paris, o Charlie Hebdo colocou nas bancas capas satíricas e carregadas de humor negro, que foram indignando a população ao longo dos últimos meses.

Goste-se ou não, o certo é que o número que assinalou um ano da morte dos 12 jornalistas do Charlie Hebdo vendeu 7,5 milhões de exemplares em todo o mundo. #Terrorismo #Imprensa