Com raízes portuguesas, Matt Borges é o Presidente do Partido Republicano no Estado do Ohio e pode mesmo ser uma das poucas figuras politicas nos Estados Unidos da América (EUA) capaz de impedir que Donald Trump seja nomeado candidato pelo partido. Em entrevista ao Expresso, Matt Borges declara que a solução passa por ignorar o voto popular. É importante relembrar que o Estado do Ohio chega a ser o sétimo mais populoso dos EUA com um total de 11,5 milhões de habitantes. O dirigente do Ohio é um dos 6000 descendentes de emigrantes portugueses que escolheram aquele Estado para viver e procurar uma vida melhor. Confessa que sabe pouco sobre os seus antepassados portugueses e que guarda consigo uma Bíblia traduzida em português e uma camisola da seleção nacional de futebol, que veste para torcer por Portugal sempre que há um Europeu ou um Mundial. 

A situação começou a complicar-se para o magnata americano, que perdeu o Estado do Ohio para o seu rival John Kasich, que conquistou a totalidade dos delegados deste estado (66), o mesmo onde é governador.

Publicidade
Publicidade

Apesar de tudo, Donald Trump continua a liderar as primárias, mas será bastante difícil conseguir tornar-se candidato à presidência sem o apoio do Ohio. Contudo, ainda faltam votar 23 Estados e territórios e a luta está longe de chegar ao fim. Em segundo lugar nas primárias encontra-se ainda Ted Cruz, pertencente à ala radical do partido, assim como Trump. A questão é que com três candidatos tão fortes e ao analisar o resultado da primeira volta, torna-se cada vez mais complicado um destes candidatos conseguir conquistar a maioria absoluta.

É então perante este cenário complicado que entra o Partido Republicano de Matt Borges, que se prepara para convocar uma "convenção concorrida". As regras ditam que após uma primeira votação onde nenhum dos candidatos conquiste uma maioria absoluta, terá que existir uma segunda onde os delegados se tornam independentes.

Publicidade

E enquanto dirigente republicano do Ohio, Matt Borges será anfitrião da convenção e supervisor dos trabalhos. Ora, sendo um declarado apoiante de John Kasich, o lusodescendente, numa entrevista ao jornal Expresso, prometeu que vai fazer de tudo para que o governador do Ohio seja nomeado como candidato às presidenciais. Acrescenta ainda que não se trata de antidemocracia e que este sistema não tem sido utilizado porque os últimos vencedores conseguiram conquistar a maioria dos delegados nas primárias. A última "convenção concorrida" aconteceu há mais de 60 anos, quando um vencedor da primeira volta não foi nomeado como candidato. Relembra ainda que a história americana mudou graças a este sistema, em que Abraham Lincoln chegou a ser nomeado candidato e tornou-se um dos melhores presidentes dos EUA. 

O lusodescendente também não parece estar muito assustado com a ameaça de Donald Trump ao incentivar uma revolta popular caso o partido escolha outro candidato. Matt Borges está confiante que os republicanos do Ohio não têm medo do multimilionário americano e que não vão existir votos alimentados pelo medo.

Publicidade

#Política Internacional #Eleições Americanas