Dois dias depois dos atentados de Bruxelas, que levaram o pânico e a morte ao coração da Europa, as autoridades francesas acabam de informar que conseguiram evitar um atentado eminente em Paris. O ministro do Interior francês, Bernard Cazeneuve, anunciou esta sexta-feira que as autoridades francesas conseguiram deter um cidadão francês em Argenteuil, na periferia norte de Paris, o qual, se preparava para levar a cabo mais um atentado na capital francesa.

Segundo Bernard Cazeneuve, o plano estava em fase bastante adiantada, no entanto, não é possível ainda saber se existe ou não uma ligação entre este plano de atentado e o que aconteceu em Bruxelas na passada terça-feira: "A operação que está a decorrer permitiu evitar um plano avançado de um ataque terrorista”, afirmou Cazeneuve.

Publicidade
Publicidade

No entanto, mesmo tendo em conta a notícia irá seguramente ser atualizada ao longo do dia, o certo é que o medo está a crescer na Europa, principalmente nas grandes capitais europeias.

Cidades como Paris, Londres, Bruxelas, Berlim, Madrid e até mesmo Lisboa têm os seus níveis de segurança a patamares poucas vezes vistos, sendo que é crescente a consciência que atentados como os desta semana em Bruxelas, serão sempre muito difíceis de evitar. Grupos terroristas, como o Estado Islâmico, procuram agora espalhar o terror de uma maneira menos selectiva, não procurando atacar forças governamentais, mas sim concentrando os seus atentados, em grandes aglomerados de civis, nas grandes capitais europeias, o que torna a tarefa da #Polícia cada vez mais complicada.

Para além do mais, este tipo de acçãotem custos muito menores e uma logística bastante simples, o que faz com que o medo seja cada vez maior entre a população, que a cada dia suspira para que não seja ela o alvo.

Publicidade

Torna-se assim, urgente encontrar verdadeiras soluções, que vão além das medidas repressivas e de segurança, naquele que será o grande desafio europeu dos próximos anos. Em todo o caso, a notícia de hoje corrobora declarações recentes do primeiro-ministro António Costa, segundo o qual "por cada atentado que acontece há dezenas que são evitados". #Terrorismo