Nesta segunda-feira, 29 de Fevereiro, aconteceu em Moscovo, na Rússia, uma das cenas mais bizarras dos últimos tempos. Uma mulher foi detida enquanto segurava numa mão a cabeça de uma criança. Ao que tudo indica trata-se de uma ama que assassinou uma menina de quatro anos, depois passeou-se pelas ruas da capital russa com a parte do corpo e a gritar frases sobre Alá. Agora, encontra-se detida num hospital psiquiátrico.

Vestida com trajes muçulmanos, a mulher, que causou o pânico nas ruas de Moscovo nesta segunda-feira, terá mesmo decapitado uma menina de quatro anos. Ao que tudo indica, a criança chamava-se Nastya M. Quanto à mulher de negro será Gyulchehra Bobokulova, 39 anos, natural do Uzbequistão.

Publicidade
Publicidade

Segundo avança a imprensa russa esta mulher estaria a trabalhar como ama na Rússia.

Durante a manhã, Gyulchehra entrou no metro, na estação Oktiabrskoie Pole (Campos de Outubro, em português), e foi mandada parar pela polícia que lhe pediu os documentos por suspeitar dos seus movimentos. Nessa altura, retirou de dentro da sua bolsa a cabeça da criança. Já no exterior do metro ameaçou explodir-se, enquanto gritava frases como “eu sou uma terrorista! Eu sou a vossa morte!”, ou “Alá é grande”, conforme escreve o site do Observador.

Momentos antes de interceptar esta mulher, a polícia local tinha sido chamada a um incêndio que deflagrou num bloco de apartamentos e aí encontrou o corpo de uma criança já sem cabeça. Ao que tudo aponta, deverá ser a mesma criança. Segundo escreve ainda o site do Observador, esta criança tinha um défice de atenção e não conseguia andar.

Publicidade

A mãe, ao saber da morte da filha, teve de ser levada imediatamente para o hospital.

De acordo com as últimas informações, a mulher terá morto a criança enquanto os pais não se encontravam em casa, ateando fogo ao apartamento de seguida. A presumível assassina está agora detida numa ala do hospital psiquiátrico enquanto se aguarda pela avaliação do seu estado mental. Contudo, esta não é a primeira vez que a mulher recebe tratamento psiquiátrico. #Crime