Segundo avançou a BBC nesta quarta-feira, 30 de Março, o primeiro-ministro belga Charles Michel seria um dos alvos dos atentados do passado dia 22. As autoridades encontraram informações sobre o chefe do Governo belga e imagens da localização do seu gabinete num computador portátil encontrado num caixote do lixo, na zona de Schaerbeek. Nesse mesmo computador foi encontrada uma carta de Ibrahim El Bakraoui, o bombista-suicida do aeroporto de Zaventem.

O computador terá sido encontrado na sequência de uma operação policial no bairro de Schaerbeek, mais precisamente na rua Max Roos, local de onde partiram os irmãos Bakraoui.

Publicidade
Publicidade

Ambos saíram do 5.º andar do número 4 em direcção aos locais dos atentados, transportando malas carregadas de detonadores e explosivos.

O gabinete de Charles Michel localiza-se na rua da estação de Maelbeek, onde Khalid El Bakraoui, irmão de Ibrahim, se fez explodir. O computador abandonado continha uma planta e várias fotografias do edifício onde fica o gabinete. Foram também encontradas pesquisas na Internet sobre a localização da residência oficial do primeiro-ministro. Como medida preventiva, foi reforçada a segurança no gabinete e na residência de Charles Michel.

Também a carta de Ibraihm está a ser alvo de investigação: o 'jihadista' terá escrito que tinha medo de ser detido, tal como aconteceu com Salah Abdeslam. Assumiu que estava sobre pressão e não se sentia em segurança. Por essa razão esteve "sempre em fuga, sem saber o que fazer, procurado em todo o lado".

Publicidade

Os dados recolhidos pelas autoridades belgas estão a ser analisados em conjunto com o FBI, que irão averiguar todo o conteúdo dos discos rígidos e equipamentos apreendidos na operação policial. O portátil encontrado será, por isso, uma peça importante para a investigação. Contudo, a caça ao homem mantêm-se - as autoridades continuam à procura do terceiro suspeito (o homem de chapéu) que abandonou uma mala com explosivos no aeroporto e pôs-se em fuga.

Recorde-se que o atentado terrorista perpetrado pelos bombistas-suicidas matou 35 pessoas e feriu cerca de 300 na estação de metro de Maelbeek e no aeroporto de Zaventem. #Terrorismo