Em Espanha, uma criança do sexo feminino, com apenas dez anos, foi forçada a manter relações sexuais contra a sua vontade, e com a autorização dos seus progenitores. Estes deixaram que o jovem, de 18 anos, estivesse a residir em sua casa durante três meses. Por ser considerado imprópria a aproximação de cariz sexual, devido à idade da menor, todos os três adultos vão agora ser julgados. O pai é espanhol e a mãe é de nacionalidade romena.

Foi numa consulta de pediatria que a pediatra denunciou a mãe às autoridades, sobre o que se estaria a passar, quando no verão de 2015 a progenitora lhe pediu informações sobre doenças sexualmente transmissíveis e sobre métodos contraceptivos. Perante as evidências, a mãe apresentou queixa contra o "namorado" da filha, dizendo que este tinha abusado sexualmente da menina em plena via pública, sob ameaça de uma faca.

Publicidade
Publicidade

Quando confrontada pelos investigadores, a criança assumiu a responsabilidade, dizendo ser tudo invenção sua, e que os pais não sabiam de nada. Quando a verdade foi reposta, a progenitora foi acusada de falso testemunho e simulação de delito.

O juiz considerou que, estando o "namorado" na mesma casa que os pais da menor, estes teriam de estar ao corrente da situação e permitiram que a filha fosse abusada sexualmente, de forma continuada. 

O suposto "namorado" foi acusado de abuso sexual continuado, uma vez que manteve o relacionamento sexual com a menor sem o seu consentimento, tal como esta confirmou ao tribunal de instrução de Sevilha. No entanto, o jovem defendeu-se, alegando desconhecer a verdadeira idade da menina, porque acreditou que tivesse 16 ou 17 anos. E assim que soube a verdade, alega, terminou a relação imediatamente.

Publicidade

O abuso sexual infantil é um facto real na nossa sociedade e ocorre sobretudo dentro do núcleo familiar. Identificar o problema e tratá-lo de forma adequada é vital para evitar traumas e sequelas psicológicas que se prolongam na vida adulta. Não importa a origem cultural, económica ou social, a sociedade pode e deve acabar com este flagelo contra as crianças. #Crime #Causas