Brenda Lee Marquez McCool, de 49 anos, morreu no passado sábado (11) no massacre violento que ocorreu no Pulse, um bar gay em Orlando.  A mulher colocou-se em frente ao seu filho para protegê-lo da morte, acabando por morrer. Esta foi uma das várias histórias emocionantes que têm surgido nos media desde o atentado terrorista que matou 49 pessoas.

Ao que tudo indica, Brenda e o seu filho Isaiah Henderson deslocaram-se naquela fatídica noite ao bar gay, como habitualmente faziam. O rapaz, assumidamente homossexual, sempre teve o apoio da mãe e ambos foram divertir-se juntos. Passaram um momento agradável e dançaram com um grupo de amigos.

Publicidade
Publicidade

Brenda até publicou um vídeo com mais duas pessoas a dançar na pista minutos antes do massacre

Quando começou o ataque protagonizado por Omar Mateen, pertencente ao Estado Islâmico, a mãe ordenou que Isaiah se baixasse e pôs-se de imediato à frente do filho. Se não fosse esta atitude corajosa de Brenda McCool, que mostrou o verdadeiro amor que tem pelo filho, Isaiah não teria saído vivo daquele bar  em Orlando.

De acordo com o site brasileiro Exame, esta mulher era uma mãe solteira de 11 filhos, que havia lutado contra o cancro já por duas vezes. Contudo, desta vez não lutou pela vida. Brenda deu a vida pelo seu filho. Khalisha, filha da vítima mortal, conta que o seu irmão está devastado. Viu a mãe e outras 48 pessoas a serem mortas, tendo por isso ficado em estado de choque, conta a irmã mais velha de Isaiah.

Publicidade

A mulher, morta de forma trágica num ataque homofóbico protagonizado pelo Estado Islâmico, era defensora dos direitos homossexuais e de toda a comunidade #LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transsexuais). A família e os amigos publicaram diversas palavras amigas no Facebook, evocando a pessoa amável que Brenda era.

O seu perfil pessoal no Facebook transformou-se numa página repleta de homenagens a esta mulher que preferiu morrer para que o seu filho continuasse a viver. A família está a pedir doações para a realização do funeral de Brenda Lee Marquez McCool. #Terrorismo #EUA