Uma mulher protagonizou um cenário de horror na manhã de ontem, sábado, 25 de Junho ao ter matado a filha, grávida de sete meses. Depois, tentou matar o neto, de apenas 4 anos, com uma facada no pescoço. A agressora tentou suicidar-se, presumivelmente, com a mesma arma do #Crime, mas foi impedida por um vizinho. As autoridades estão a investigar as circunstâncias daquele crime, enquanto a mulher está hospitalizada.

Segundo o portal G1.Globo, aquela tragédia aconteceu na manhã de sábado, dia 25 de Junho, no bairro Ribeirânea, em Ribeirão Preto. Tudo aconteceu no interior da habitação da família naquela zona residencial próxima de São Paulo, no Brasil.

Publicidade
Publicidade

Os motivos daquele horrendo crime ainda não estão apurados, nem as circunstâncias concretas em como ocorreram os factos. Sabe-se, no entanto, que a mulher atingiu a sua filha, de 31 anos, com uma facada no abdómen, provocando-lhe a morte. A vítima estava grávida de sete meses.

De seguida, a agressora tentou fazer o mesmo ao seu neto, de 4 anos de idade. Alegadamente com a mesma arma com que matou a filha, a mulher esfaqueou o menino no pescoço. Ao aperceber-se do sucedido, um vizinho conseguiu entrar na residência deparando-se com a mulher a tentar atingir o seu próprio pescoço com uma faca, tendo impedido que ela cometesse o suicídio. Durante aquela acção, o homem viria a sofrer ferimentos ligeiros nos membros superiores, não tendo, contudo, necessitado de socorro hospitalar.

As vítimas foram socorridas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência e pelo Corpo de Bombeiros.

Publicidade

A agressora foi transportada para a Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas, a mesma unidade hospitalar para onde foi encaminhado o seu neto, com um ferimento grave no pescoço, tendo sido submetido a uma operação cirúrgica. Já a mãe do menino, foi levada para um hospital particular onde os médicos tentaram realizar uma cesariana para salvar o bebé, mas sem sucesso. O caso está a ser investigado pelos investigadores da Central de Flagrantes da Polícia Civil, que entretanto recolheram, não só a arma do crime, mas também outros meios de prova.