A Secretaria Regional dos Assuntos Europeus e Parlamentares (SRAEP) do Governo Regional da Madeira, divulgou um documento no qual consta a informação de que o Governo da República está neste momento a preparar uma plano de contingência com vista dar apoio à Comunidade Portuguesa radicada na Venezuela.

De acordo com a informação transmitida pela SRAEP, o primeiro-ministro #António Costa e o seu Governo estão em contacto com empresas farmacêuticas, associações portuguesas e madeirenses e consulados, para que estes possam distribuir medicamentos pelos mais necessitados. 

Para além do plano de fornecimento de medicamentos, o Ministério dos Negócios Estrangeiros garantiu à SRAEP o reforço do pessoal afecto à Embaixada de Portugal em Caracas, através da nomeação de uma Conselheira Social, uma magistrada de carreira venezuelana.

Publicidade
Publicidade

Note-se que este plano surge na sequência das fortes pressões exercidas:

  • Pelo Governo Regional da Madeira, através da SRAEP e da Presidência do Governo Regional;
  • Pela Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira, na voz dos deputados regionais, independentemente do espectro político;
  • E pelos Deputados Madeirenses à Assembleia da República, nomeadamente na voz de Paulo Neves, fundador do Instituto para a Promoção e Desenvolvimento da América Latina.

Isto porque que grande parte dos emigrantes portugueses na Venezuela (estimados entre 500 mil e 1 milhão) são na sua maioria madeirenses ou descendentes de madeirenses.

No entanto, o Governo Regional da Madeira irá visitar, de 24 de Junho a 5 de Julho, oficialmente a Venezuela no sentido de melhor se inteirar da real situação económica e social e de que forma a mesma está a afectar a comunidade portuguesa e madeirense. 

Dada a actual situação de crise que se vive na Venezuela, e a eventualidade de uma guerra civil, o tema da comunidade portuguesa na Venezuela tem sido debatido na Região Autónoma da Madeira, uma vez que poderá vir a ser necessário dotar a mesma de meios estruturais e financeiros suficientes, caso se verifique uma situação semelhante à ocorrida durante o processo de descolonização no pós-25 de Abril.

Publicidade

#Política Internacional