David Sonboly, de 18 anos, viveu durante um ano obcecado com o ataque que acabou por fazer, na passada sexta-feira, 22 de Julho, em Munique. Os investigadores criminais alemãs acreditam que o jovem planeava o ataque desde o Verão do ano passado. Alguma imprensa avança que o rapaz, que se suicidou após ter matado 9 pessoas, terá avisado que um dia faria uma matança. Em causa terá estado uma vingança por “bullying” de que era vítima no colégio onde estudava.

O jornal El Mundo noticia que David Sonboly terá conseguido entrar no perfil de uma colega no Facebook e, dessa forma, fez um convite para que os amigos se encontrassem no restaurante “McDonald’s”.

Publicidade
Publicidade

Pouco tempo depois o jovem disparou uma arma, que terá adquirido através da internet, tendo provocado 9 mortos, colocado-se em fuga. O seu corpo viria a ser encontrado a cerca de um quilometro de distância, onde se suicidou.

Numa conferência de imprensa realizada neste domingo, 24 de Julho, os responsáveis pelo gabinete criminal da Baviera, o jovem terá comprado uma pistola “Glock” num sítio na internet, que acabou por ser a arma do #Crime. Por outro lado, David Sonboly tinha na sua posse cerca de 300 munições. Os investigadores referem que o atirador visitou, nos últimos meses, a cidade de Winnenden, onde há 7 anos ocorreu um tiroteio numa escola, provocando 15 mortos. Por outro lado, o jovem terá ficado interessado em conhecer pela internet, e em pormenor, a história e o perfil de Breivik que há 5 anos protagonizou um massacre na Noruega, matando 77 pessoas.

Publicidade

Segundo as autoridades alemãs, quando protagonizou o tiroteio junto ao restaurante McDonald’s, o jovem não tinha como alvo as pessoas de que foram vítimas. Aquele ataque deixou os pais de David Sonboly em estado de choque, até porque terá sido o seu próprio pai que o reconheceu nas imagens que estavam a ser transmitidas, identificando-o às autoridades. Há cerca de um ano, o jovem esteve dois meses internado numa unidade psiquiátrica e, desde então, passou a ser seguido pelos médicos especialistas. #Polícia