#Bana Alabed, de sete anos, tornou-se conhecida no mundo inteiro ao relatar, nas #Redes Sociais, o drama na cidade síria de Allepo. A menina escreveu detalhadamente sobre a vida durante a guerra que presenciava diariamente e tinha na sua conta mais de 100 mil seguidores. Desde esta segunda-feira, 5 de Dezembro, que circula na sua conta no Twitter uma mensagem preocupante. De acordo com o que foi escrito pela mãe da pequena menina, elas correm perigo de vida.

A menina manteve nos últimos meses, em conjunto com a mãe, que a ajudava a escrever em inglês, uma espécie de diário. Em Novembro, a pequena Bana escrevia sobre um ataque no bairro onde viviam e pedia que rezassem por eles.

Publicidade
Publicidade

Esta segunda-feira, na conta de Bana, surgiu uma mensagem preocupante. De acordo com o post que o Correio da Manhã transcreveu, lê-se o seguinte: “Temos a certeza de que o exército está a capturar-nos agora. Vemo-nos noutro dia, querido mundo. Adeus”. Já durante a tarde, a mãe da pequena criança voltou a fazer uma publicação em que escrevia: “Debaixo de ataque. Não temos sítio para ir e a todos os minutos sentimos que vamos morrer. Rezem por nós. Adeus”.

O mundo encheu-se de preocupação perante esta publicação, surgindo de imediato diversos comentários a querer saber o que se estava a passar com Bana. A autora JK Rowling foi uma das que manifestou a sua preocupação.

De recordar que a autora de Harry Potter enviou a Bana o conjunto completo de livros da saga, depois de a menina ter escrito nas redes sociais que ler a ajudava a esquecer a guerra em que se via envolvida.

Publicidade

No início deste mês, a 1 de Dezembro, Bana escreveu que estava doente e que temia que a morte pudesse vir antes de uma bomba atingir o local onde estava com a família. Este conjunto de publicações deixou os seus seguidores muito preocupados, a rezar pela sua segurança e a querer respostas sobre o seu paradeiro.

Segundo o site do CM, no último domingo terão morrido 300 pessoas no leste da cidade de Aleppo e muitas outras terão sido feitas reféns. #Síria