O exílio de Edward Snowden na Rússia vai continuar a ser uma realidade, depois de o governo daquele país revelar na quarta-feira, dia 18 de janeiro, que o ex-analista da CIA e da NSA renovou o seu visto de residência por mais 3 anos, estendendo-se agora até ao ano de 2020. O anúncio foi feito pela porta-voz do Ministro russo de Assuntos Externos, Maria Zakharova que, na sua página do Facebook, transmitiu que Snowden - célebre fonte relativamente aos programas de recolha de informação da NSA a cidadãos norte-americanos -, teria o visto renovado por "mais uns anos".

Apoiantes do denunciante têm pedido um perdão oficial de Barack Obama desde os infames "leaks".

Publicidade
Publicidade

Contudo, a probabilidade de haver clemência baixou drasticamente depois de, na última terça-feira, dia 17 de janeiro, o nome de Snowden não ter surgido na lista oficial de nomes que receberam esse perdão oficial, lista essa que incluía o nome de Chelsea Manning, o mais recente denunciante de alto perfil a ver a sua sentença reduzida de 35 anos para apenas 4 meses.

Este anúncio surge a propósito de um artigo de opinião escrito por um antigo diretor da CIA de nome Michael J. Morrell, que afirmou que a Rússia poderia extraditar Edward Snowden para os #EUA como um sinal de boa fé para a próxima administração do presidente eleito Donald Trump - isto considerando a perspetiva de melhores relações entre os dois países. Maria Zakharova respondeu que a Rússia não estava preparada para dar esse "presente" ao novo líder americano.

Publicidade

“A essência daquilo que o agente da C.I.A. está a sugerir é uma ideologia de traição. Você disse, sr. Morrell, e agora é claro para todos que trabalham para si, que é normal levar presentes na forma de pessoas e entregar aqueles que procuram defesa", escreveu Zakharova.

Snowden foi obrigado a procurar asilo em Moscovo depois de ver goradas as suas tentativas de fuga para a América Latina, no seguimento de artigos publicados pelo The Guardian e pela #Imprensa norte-americana - nomeadamente o The Washington Post -, baseados em indicações providenciadas por ele, que revelavam detalhadamente o rol de programas da NSA que se focavam em vigilância massiva e na recolha de informação.

O Ministro de Assuntos Externos russo não divulgou até quando o visto de residência de Edward Snowden teria sido estendido, mas Anatoly G. Kucherena, o seu advogado, confirmou que seria válido até 2020, adiantando que Snowden tem condições para pedir cidadania russa no próximo ano, após ter passado 5 anos no país. Ainda assim, não sabe se o seu cliente irá tirar partido dessa situação.

Snowden é acusado de violar a lei de Espionagem - "Espionage Act" - e seria confrontado com uma pena de prisão de pelo menos 30 anos. Defensores de privacidade elogiam o ex-analista como um denunciante corajoso, enquanto que oficiais do governo americano o apelidam de traidor e de desertor, especialmente com a procura de asilo na Rússia, um antigo rival de política externa dos Estados Unidos. #Política Internacional