Logo após a tomada de posse de Donald Trump como presidente dos EUA, na sexta-feira, dia 20 de janeiro, o site oficial da Casa Branca sofreu algumas alterações de imediato notadas por alguns meios de comunicação social daquele país. A CBS reportou o desaparecimento da página de direitos da comunidade #LGBT.

O link whitehouse.gov/lgbt é agora redirecionado para uma página de transição que convida as pessoas a adicionarem o seu e-mail para receberem atualizações do presidente Trump, juntamente com uma foto do presidente eleito com o seu vice presidente Mike Pence. Este último é uma figura altamente controversa no seio desta comunidade considerando o seu histórico político, que envolve votos contra legislação pró-LGBT, como por exemplo o voto exercido contra o The Employment Non-Discrimination Act, que proibiria a discriminação contra pessoas LGBT no local de trabalho.

Publicidade
Publicidade

Todavia, Donald Trump teve o apoio do grupo Log Cabin Republicans, um grupo de republicanos pró-LGBT que viu Trump como o candidato presidencial mais pró-LGBT da história do partido. Assim, apesar de ser pouco claro se a página LGBT do site oficial irá ser substituída por outra mais personalizada ao gosto do presidente eleito, o desaparecimento da página é visto como um presságio de um futuro pouco risonho para membros desta comunidade.

Ainda assim, quando existe a transição de administrações, todos os recursos da página pertencentes à última administração também passam por uma fase de transição, isto é, tudo o que fazia parte da administração Obama colocado no site oficial da Casa Branca foi transferido para o site ObamaWhiteHouse.

Publicidade

Ou seja, a página que está a ser referida ainda existe tecnicamente, simplesmente não está presente no site oficial da Casa Branca. Resta saber se a ausência de uma página deste género será temporária ou permanente.

Obamacare e aquecimento global fora dos planos de Trump?

Também houve eco na imprensa americana acerca da remoção da página oficial de Saúde do site da Casa Branca. As referências acerca do Affordable Care Act - vulgo Obamacare - foram eliminadas, apesar do Google ainda ter uma cache da página.

Donald Trump, durante a sua campanha, criticou duramente a lei de Saúde que prometeu repelir e substituir. A 12 janeiro o congresso americano - liderado por republicanos - aprovou uma resolução orçamental que começaria o processo de eliminação do Affordable Care Act. Não obstante, governadores de estados republicanos pediram expressamente a essa instituição que, eliminando essa lei, tivessem um plano substituto pronto, a fim de evitar que milhões de cidadãos americanos perdessem o seu seguro de saúde.

Publicidade

O novo site oficial da Casa branca inclui uma página sobre políticas de energia. Esta detalha os planos da nova administração que se revelam congruentes com as promessas feitas por Trump na campanha, que incluem: maior extração petrolífera, cancelar políticas de Obama como o Climate Action Plan e a regra Waters of the United States e investimento em "carvão limpo".

Aquilo que não está referido no plano de políticas de energia é o acordo de Paris - ratificado em abril de 2016 -, que se foca, entre outros aspetos, na redução de emissão de gases de estufa a partir do ano 2020, acordo com que Trump se mostrou pouco recetivo em colaborar durante a sua campanha política. Cientistas mostraram-se preocupados dada a aversão do novo presidente a ações direcionadas ao combate ao aquecimento global e seus efeitos no planeta. Apesar de tudo, informação relacionado com o ambiente da administração de Obama ainda está disponível na página arquivada ObamaWhiteHouse.gov. #Política Internacional #EUA