Um jovem de 13 anos terá sido violentamente agredido até à morte, alegadamente por um segurança e o gerente de um estabelecimento de restauração. O adolescente estaria à porta do restaurante a pedir dinheiro aos clientes quando, de acordo com uma testemunha, foi expulso pelos supostos agressores, que depois o perseguiram na rua, agredindo-o. O miúdo sofreu uma paragem cardiorrespiratória, vindo a falecer a caminho do hospital. Esta quinta-feira, 2 de Março, foi realizada uma manifestação de protesto no local.

O caso verificou-se na noite do passado domingo, 26 de Fevereiro, mas só na quarta-feira foi iniciada a investigação por parte das autoridades policiais.

Publicidade
Publicidade

A trágica ocorrência aconteceu junto ao estabelecimento de restauração “Habib’s”, na Avenida Itaberada, em Vila Nova Cachoeirinha, na zona Norte de São Paulo (Brasil). No local onde nesta quinta-feira, 2 de Março, foi realizada uma manifestação de protesto pelo falecimento do pequeno João Victor Souza de Carvalho. Uma acção organizada pela União dos Colectivos Pan Africanistas.

João Victor de Carvalho vivia com o pai desde os cinco anos de idade, quando o pai se separou da mãe do adolescente. Na noite do passado domingo estaria à porta do estabelecimento de restauração a pedir esmola aos clientes. Não era a primeira vez que o fazia, apesar de, anteriormente, já ter sido avisado pelos responsáveis do “Habib’s” para não permanecer ali, segundo relatou o pai às autoridades policiais e citado pela imprensa brasileira.

Publicidade

Marcelo de Carvalho garantiu que o comportamento do seu filho nunca causou nenhum constrangimento junto dos clientes do restaurante, até porque sempre o fez no exterior do estabelecimento.

A investigação das autoridades policiais teve origem após o testemunho de uma mulher, de 59 anos, que diz ter visto a criança a ser espancada por um segurança e o gerente do estabelecimento de restauração. Um depoimento que afastou a tese de o adolescente ter sofrido uma paragem cardiorrespiratória por motivos naturais. A mulher, vendedora ambulante e que se dedica à recolha de material reciclável, contou aos policiais que na noite de domingo, quando se encontrava a vender doces próximo do restaurante, viu o adolescente a correr pela rua e a ser perseguido pelo segurança e o gerente do “Habib’s”. O segurança terá conseguido agarrar o rapaz, tendo-o agredido com um soco na cabeça. Os dois homens tentaram, depois, levar o João Victor para junto do estabelecimento, mas o mesmo perdeu os sentidos, tendo sido deitado no chão pelos alegados agressores.

Publicidade

O depoimento da mulher terá sido inicialmente desvalorizado pelos agentes policiais, o que terá originado um atraso no início das investigações. Entretanto, o “Habib’s” emitiu uma nota à imprensa dando conta que estaria a apurar os factos da “lamentável ocorrência”, colaborando com as autoridades no processo de investigação com vista a esclarecer todo o caso, adiantando que perante o estado do jovem accionou os meios de socorro, mas que o jovem viria a falecer a caminho do hospital. #Crime #Polícia