Coimbra, cidade de doutores e de futricas, cidade antiquíssima e moderna, clássica e sempre jovem, é um paraíso para os turistas. Ao fazer turismo em Coimbra vai contactar com a História de Portugal e compreender a mística da tradição académica. Vai fazer compras nos melhores shoppings e tentar os restaurantes mais tradicionais. E vai sentir por que motivo aqueles que por lá passam nunca mais esquecem a cidade. Veja 6 boas razões para voltar a Coimbra.

1 - A Universidade é Património Mundial da UNESCO. E apesar do aspecto icónico da "Cabra" (a conhecida Torre), só depois de conhecer a Capela de S. Miguel, a Biblioteca Joanina ou a Prisão Académica é possível compreender a mística de um espaço que já foi palácio dos reis de Portugal, antes de a Universidade se mudar para aqui de vez no século XVI.

Publicidade
Publicidade

2 - O Museu Machado de Castro, sendo um dos maiores e mais antigos museus portugueses, vale a visita por si mesmo. Mas depois de o visitante descer ao criptopórtico romano, o edifício semi-subterrâneo que se encontra por baixo do museu, vai perceber que só este milagre da arquitectura e da engenharia de há 2000 anos, por si só, vale a visita a Aeminium (assim a cidade se chamava na época romana). Nem Conímbriga (a 20 km de Coimbra,e que lhe "cedeu" o nome) possui coisa igual.

3 - A Sé Velha, igreja românica do século XII, é um dos corações simbólicos de Coimbra: é neste largo que se realiza, anualmente, a grande Serenata da Queima das Fitas. Do largo se desce pela íngreme escada Quebra-Costas, até se passar pelo Arco de Almedina (fragmento da antiga muralha) e se chegar à Rua Ferreira Borges, já na Baixa da cidade.

Publicidade

4 - As tascas estão por todo o lado. Tascas antigas com mesas em fórmica, tascas modernas com petiscos antigos e restaurantes tradicionais que atraem visitantes de todo o país.

5 - O Mondego é o rio mais cantado pelos poetas. Sendo hoje um tranquilo lençol de água regulado pela barragem do Açude, o nome do barco de passeio Basófias relembra os tempos das grandes cheias. Hoje, é um rio para se atravessar a pé, pela ponte pedonal, ou para se tomar um café à sua beira, nas esplanadas da maegem. Quem sabe, até, com uma descida de canoa desde Penacova. E na "outra banda" está o Mosteiro de Santa Clara-a-Velha. Fundado pela Rainha Santa Isabel, inundado pelo Mondego durante séculos, é agora um dos monumentos mais expressivos e interessantes da cidade.



6 - Os estudantes e a vida académica estão por todo o lado: na Alta, na Baixa, na Queima das Fitas, no Queimódromo mais comercial à tasca mais tradicional, do edifício sede da Associação Académica de Coimbra ao Estádio Cidade de Coimbra. Mas a compreensão da alma de estudante não fica completa sem uma passagem pelo Penedo da Saudade. Hoje a paisagem é menos bucólica, pois a cidade "substituiu" os campos, mas nem por isso menos inspiradora. E as placas e memoriais deixados pelos estudantes ao longo de décadas assim o comprovam.