Deixe Lisboa para trás, atravesse a ponte sobre o Tejo e comece uma viagem de descoberta pelo litoral norte alentejano. Conheça as paragens obrigatórias neste passeio único e inesquecível por cidades e vilas alentejanas onde se respira tranquilidade, bem estar e natureza e onde não faltam motivos de interesse. Campo, praia e cultura - nada vai faltar nesta expedição que vai ficar marcada pelas boas recordações. Venha à boleia das nossas sugestões.

1 - Alcácer do Sal é a guardiã do rio Sado, que a partir deste ponto começa a alargar-se progressivamente para formar o seu largo estuário. Subindo ao castelo, contemplando a curva que faz o rio e a planície em frente, é fácil imaginar a importância estratégica que teve no avanço de D.

Publicidade
Publicidade

Afonso Henriques para sul, contra os "moiros". Mas é a avenida ao longo do rio que convida a um bom prato de caracóis e a uma cerveja - isto para quem não vai pegar no carro, cruzando a ponte em direcção ao sul.

2 - Vila Nova de Santo André é um caso único no urbanismo português e, só por isso, merece uma visita. Ao contrário de países novos e experimentais como o Brasil ou os Estados Unidos, em Portugal temos pouquíssimos exemplos de povoações planeadas de raiz. Vila Real de Santo António é uma delas, mas do século XVIII. Já no século XX temos Santo André, projectada para servir de apoio ao complexo portuário e industrial de Sines, que foi o grande sonho do desenvolvimento dos anos 60 e 70. O sonho não cumpriu as expectativas, mas Santo André foi ficando, parente nova entre as velhíssimas Sines e Santiago do Cacém.

Publicidade

É percorrer as ruas rectilíneas, as casas modernas, o estabelecimento de Ensino Superior, e pensar que estamos numa Brasília à escala do Alentejo. Além disso, estamos perto da Lagoa de Santo André, óptima para as crianças, pela calmaria nas suas águas.

3 - Em Sines, a estátua de Vasco da Gama (que nasceu aqui) recorda uma vocação marítima que se mantém no grande porto. E não é por causa da refinaria de petróleo que a areia da praia urbana é preta; ela é mesmo assim, caso raro na costa portuguesa, e uma tabuleta informa para essa situação. Marque na agenda um regresso para o Festival Músicas do Mundo, que anima a cidade em julho.

4 - Logo abaixo está Porto Côvo, cantada por Rui Veloso. Aqui a costa torna-se alta, de falésia, pelo que há que escolher uma das suas cinco praias. A praça central, quadrada e larga, e as ruas rectilíneas denunciam também a origem de Porto Côvo: é mesmo pombalina, planeada como Vila Real de Santo António, mas conserva o charme e encanto de uma tradicional aldeia alentejana.

Publicidade

Em julho e agosto, apanhe o barco e vá descobrir a Ilha do Pessegueiro.

5 - Vila Nova de Milfontes continua a ser o paraíso à beira-mar, entre a tranquilidade dos hotéis e a baixa densidade. Aqui não chegou ainda o grande #Turismo de massas. O estuário do rio Mira permite combinar as ondas marítimas com as águas mais calmas para as crianças. E não faltam bons restaurantes com vista para este belo postal ilustrado, onde está o castelo que guardava a entrada deste rio navegável em tempos antigos. A ponte convida a continuar para sul... em outro dia.