As galerias romanas de Lisboa vão reabrir ao público amanhã, sexta-feira, 26 de Setembro, e estarão abertas até Domingo. Tal como habitualmente, por razões práticas e de conservação de um espaço muito sensível, as galerias subterrâneas situadas na rua da Prata, na Baixa Pombalina vão abrir por um curto espaço de tempo. O espaço abre habitualmente no início da Primavera, em Abril, por ocasião do Dia dos Monumentos, e agora no início do Outono, pelas Jornadas Europeias do Património. As visitas não têm marcação e são gratuitas, pelo que se prevê, como habitualmente, uma enorme afluência.

As galerias são compostas por um conjunto de corredores, com cerca de 3 metros de altura e 2 a 3 metros de largura, fazendo parte de uma estrutura que teria servido para nivelar o espaço e permitir a construção superior.

Publicidade
Publicidade

Não se sabe o tamanho total que o espaço teria tido, sendo que a estrutura actual se estende entre a rua da Conceição - onde está a entrada, a rua da Prata e a rua do Comércio. O espaço inclui celas que teriam servido para armazenamento e uma nascente de água, conhecida em tempos pelas suas propriedades milagrosas.

Os visitantes fascinam-se não só pela simples presença de um espaço físico tão próximo e ao mesmo tão distante do ambiente familiar e conhecido da rua da Prata e da Baixa - uma vez que o espaço nem sempre esteve disponível ao público - e também pela incrível resistência de uma estrutura arquitectónica com 2000 anos. As galerias continuam a resistir num espaço onde o solo é frágil e - talvez por isso mesmo - resistiram a inúmeros sismos, nomeadamente ao de 1755 que tantos estragos causou em Lisboa e nomeadamente nas ruas antigas nesta mesma zona, remodelada precisamente aproveitando essa ocasião.

Publicidade

A estrutura é também uma prova da importância que a cidade de Olisipo teria ao tempo da presença romana; é datada do século I d. C.

Em Coimbra, o Museu Nacional de Machado de Castro inclui no seu espaço subterrâneo uma estrutura semelhante, o Criptopórtico. Por estar em perfeito estado de conservação e por se encontrar num plano relativamente elevado sobre o solo - uma vez que foi construído num declive - este local encontra-se aberto em permanência. #Turismo