O Plano de Pormenor da Abrunheira Norte (PPAN), elaborado pela autarquia de Sintra em 1998, foi aprovado a 21 de Outubro, 16 anos depois da sua criação, e enviado para discussão pública. O projecto tem em vista a criação de um parque temático de 70 hectares, numa zona entre os limites do IC19, da Autoestrada 16 e da EN 249-4. "Sintra dos Pequeninos" é o nome talvez temporário para esta iniciativa privada, que representa um investimento global de cerca de mil milhões de euros e 600 postos de trabalho. De momento, o plano está entregue à Sonae, já que o grupo adquiriu o Carrefour, empresa que teve a iniciativa de criar o parque, em 1998. A discussão pública deverá demorar um mês e meio e o plano poderá mudar nesse período de tempo.

Publicidade
Publicidade

Já a construção será faseada e poderá demorar dois anos até começar.

Não só para os "pequeninos"

O plano distribui o terreno da seguinte forma: 32% será reservado para actividades comerciais e de turismo, 22% terá uma função residencial e 42% terá como fim actividades de lazer e até hortas comunitárias, entre outros equipamentos. Toda a zona comercial, com espaço para dois hotéis (um com 150 e outro com 80 camas), uma unidade de saúde e outros serviços, ocupará cerca de 20 mil metros quadrados.

Já o parque temático propriamente dito será composto por uma ciclovia, equipamentos para os "pequeninos" (incluindo o Palácio da Pena e o Castelo dos Mouros em miniatura) e uma zona de estadia, distribuídos por um total de 10 hectares. Haverá ainda uma zona de lazer junto à ribeira de Caparide-Manique, provavelmente com uma área reservada para uma piscina natural.

Publicidade

Segundo o Diário de Notícias, o parque urbano incluirá ainda vivendas para habitação e a unidade de saúde poderá ser uma clínica ou uma área com residências assistidas.

Algumas reticências

Na votação para aprovação do plano, a CDU absteve-se. O vereador Pedro Ventura, citado pelo Jornal de Notícias, justificou a decisão com os "muitos aspetos positivos" do parque urbano, mas também com um aspecto negativo: "Naquela zona existe uma sobrecarga de áreas comerciais", explicou o autarca, referindo-se ao Fórum Sintra e ao futuro centro comercial Jumbo, que vai ser construído no IC19, no nó de Mem Martins.

Por outro lado, o vereador independente Marco Almeida, que também se absteve, relembrou a questão da "mobilidade numa zona que tem uma intensa procura" e afirmou que aquela "é uma zona estratégica do concelho".

Já o presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta, mostrou-se positivo quanto ao projecto e considerou este como um dos investimentos mais importantes que o concelho já teve.

Publicidade

O espaço dos "pequeninos" que fechou

O Museu do Brinquedo de Sintra encerrou portas no final de Agosto e a colecção de memórias de infância desde o século XVII à actualidade, que recebeu mais de 900 mil visitantes, de entre eles muitos "pequeninos", está neste momento encaixotada.

A autarquia tinha proposto a criação de um museu municipal para expor a colecção privada que faz parte do espólio da Fundação Arbués Moreira, com Ana Arbués Moreira, filha do coleccionador e directora do museu, num conselho consultivo. A proposta não foi aceite e a fundação decidiu fechar o museu, não só pela decisão como pela quebra nas receitas e o fim do subsídio de cinco mil euros por mês atribuído pela câmara desde dezembro de 2013, devido à nova legislação relativa às fundações. #Entretenimento