Continua em discussão pública o projecto "Cidade da Sonae" ou "Sintra dos Pequeninos", integrado no chamado Plano de Pormenor da Abrunheira Norte (PPAN). O investimento de 125 milhões de euros, e não de mil milhões como tinha sido inicialmente divulgado, prevê ocupar uma área de 70 hectares junto ao IC19. No entanto, só avançará se a construção de um hipermercado com cerca de 35 mil metros quadrados for autorizada. "Não podemos querer a cidade [da Sonae] sem a parte comercial. Não pode ser, porque é a Sonae que vai fazer o investimento directo e fomentar o resto. Temos de moderar, negociar, mas na minha opinião devemos ter aquela cidade, que muda muito a freguesia e é importante em termos de receitas.", explicou o presidente da Câmara Municipal, de acordo com o Tudo Sobre Sintra.

Publicidade
Publicidade

As declarações de Basílio Horta, durante uma sessão extraordinária da assembleia de freguesia da União das Freguesias de Sintra, a 12 de Novembro, continuam a não convencer os moradores daquela área, que acusam o projecto de ser "mais um centro comercial", um "atentado contra as pessoas" e de ser mais uma iniciativa que vai saturar um local que já conta com outras áreas comerciais com impacto na paisagem e no trânsito. Esta e outras preocupações já motivaram uma petição, neste momento com mais de 1300 assinaturas.

Estacionamento continua a ser preocupação

Na mesma sessão, a negligência para com o espaço público, com "ruas sujas" e vandalismo, foi apontada como um dos problemas da área da Abrunheira, assim como a morte do pequeno comércio local. Não ficou de parte também o problema do estacionamento no concelho em geral.

Publicidade

A construção de edifícios de estacionamento tem sido discutida como possível solução para esse problema na zona central de Sintra. A Câmara Municipal tem estudado a possibilidade de avançar com a construção dos auto-silos no centro da Estefânia e na Portela de Sintra, segundo avançou o presidente da autarquia na última sessão da assembleia municipal, em Outubro, mas o projecto será concessionado pela Câmara a outras entidades. #Turismo #Ambiente

Por outro lado, o projeto de construção de um teleférico, entre a entrada da vila e o Palácio da Pena, voltou a ser tema de conversa. A proposta já tinha sido anunciada em 2001, no mandato de Edite Estrela, mas nunca chegou a ser concretizada. Agora, a Câmara pretende conciliar o projecto dos silos com o do teleférico, para aliviar o trânsito e o estacionamento nas zonas periféricas do centro histórico de Sintra. O próximo passo será lançar o projecto, também este concessionado através de um concurso público, e iniciar estudos de impacto ambiental. No primeiro semestre de 2015, Basílio Horta deverá ainda investir noutras zonas periféricas. O presidente da autarquia já avançou com a intenção de construir uma ciclovia entre Ouressa (Mem Martins) e a Portela, um projecto que deverá custar cerca de 150 mil euros.