É popularmente sabido que o cão há muito que é o melhor amigo do Homem. Conhecidos como os fiéis companheiros, estes animais são insubstituíveis. Todavia, há 9 mil anos que o gato ocupa o lugar de amigo de quatro patas, apesar de pouco se saber acerca do sistema de domesticação deste ser vivo. Para preencher esta lacuna, uma equipa de investigadores da Escola de Medicina da Universidade de Washington, nos Estados Unidos da América, debruçou-se sobre este tema, publicando em Novembro último os resultados na edição online do jornal "National Academy of Sciences".

Ao contrário do cão, que faz parte do quotidiano do ser humano há cerca de 30 mil anos, os #Gatos começaram a ser domesticados há relativamente menos tempo.

Publicidade
Publicidade

Todavia, as conclusões desta investigação, baseada num estudo genético, mostram que os felinos se sentem cada vez mais amigos dos seus donos, o que pelo seu carácter independente, vaidoso e devido às suas personalidades muito vincadas pode parecer estranho. Mas saiba que os "bichanos" são animais amáveis e são excelentes companheiros.

De acordo com o docente de genética da mesma instituição de ensino, Wes Warren, dado que os gatos domésticos se separaram há pouco tempo da sua família selvagem e por ainda acasalarem com gatos selvagens, é normal a equipa ter ficado surpreendida por encontrar provas da sua domesticação no seu ADN. Assim, devido ao contacto contínuo com o Homem, foi evidenciada uma diferença bastante significativa entre os genes dos gatos domésticos e os dos gatos selvagens, mais concretamente no que se refere à memória, ao receio e ao desejo de ser recompensado.

Publicidade

Este último procedimento está intimamente associado ao sistema de domesticação. A partir do momento em que o Homem foi disponibilizando este processo de recompensas ao seu gato, foi criando nele o desejo de permanecer perto daquela família.

Com base neste estudo, foi assim permitida a identificação de sinais genéticos da recente domesticação de gatos, tal como explicou Wes Warren. A partir de práticas de sequenciamento genético avançado, foi possível "registar processos na evolução da domesticação destes animais", concluiu o responsável. Em suma, este trabalho de investigação vem ainda mostrar que, ao contrário do que se julga, o gato não pode ser visto como um "cão antipático". São seres vivos totalmente diferentes, que há muitos milénios fazem companhia ao ser humano e são os animais de estimação mais comuns. #Curiosidades