De 84 metros de altura, a construção, que custará à volta de 60 milhões de euros, será elevada em Seestadt Aspern, um pólo de desenvolvimento urbano, em Viena. A ideóloga do projeto HoHo, Caroline Palfy, do ateliê Kerbler, diz ser importante que agora se pense de maneira diferente. “Temos madeira, que é um material de construção perfeito para o projeto”, assegurou ao The Guardian. O arranha-céus terá 76 por cento de madeira. Os arquitetos dizem que vai economizar 2800 toneladas de emissões de CO2, quando comparado com uma estrutura semelhante de betão, equivalente à condução diária de um carro por 40 quilómetros durante 1300 anos.

Em comparação com a madeira, que absorve CO2 do ar, a produção de betão emite altos níveis de carbono, enquanto as árvores tentam crescer.

Publicidade
Publicidade

Já os bombeiros de Viena alegam preocupações com a estrutura de madeira, embora estejam a trabalhar com os arquitetos, para testar eventuais vulnerabilidades do projeto. “O cerne da questão é que se quer construir edifícios cada vez mais altos. Um prédio de 84 metros na Europa não é habitual e há uma série de necessidades que requerem atenção”, disse o porta-voz dos bombeiros Christian Wegner. Entre o corpo de bombeiros austríaco, a construção mostra-se controversa: “houve quem ficasse chateado porque a ideia não foi discutida entre todos, ainda.”

“É preciso efetuar análises sobre a combinação mais adequada entre o betão e a madeira. Nós também queremos desenvolver um sistema de aspersão que tenha menos falhas. Espero que passem nos testes, mas se o edifício vai ser construído como dizem, só pode ser um projeto sério.” Outros prédios de grandes dimensões em Viena atraíram a preocupação dos políticos, que têm descrito a sua altura como “exagerada” e alertam que estes não estão ocupados.

Publicidade

Por seu turno, Katrina Riedl, porta-voz do Partido Popular Austríaco, defende o projeto: “Viena não é uma cidade de arranha-céus, mas a #Inovação faz parte da nossa cidade e porque não tentar coisas novas?” O maior arranha-céus de madeira do mundo vai alojar apartamentos, um hotel e um centro de bem-estar integrado.