Vai realizar-se entre 24 a 26 de fevereiro a 7ª edição dos Ciclos de Comunicação. A organização está a cargo, pela segunda vez, dos alunos do 3º ano da licenciatura de Comunicação Social e #Educação Multimédia (CSEM). Foi no final da edição de 2014 que os alunos, na altura no 2º ano do curso, souberam que iriam organizar os "Ciclos" deste ano. Segundo Mariana Lopes e Diogo Fernandes, dois dos alunos que estão a organizar o evento, a edição de 2015 começou a ser imediatamente pensada. Mas só em setembro começou "o trabalho prático", referem.

O tema desta edição é "A Invisibilidade dos Media", mas chegar a este tema não foi fácil, até porque teria de ser agradável para todos os envolvidos. Segundo os dois alunos do Instituto Politécnico de Leiria, "foi uma procura exaustiva, porque existem várias temáticas dentro dos media". Bruno Rego, docente da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais e um dos docentes responsáveis pela organização, ficou satisfeito com a escolha: "Arrisco dizer que desde então foi só crescer", remata. Com o tema base, a organização tem como principal objetivo explicar como é que os meios de comunicação social contribuem para o aparecimento de novas figuras mediáticas. Para o docente, o tema em questão vai contribuir para o "acréscimo de conhecimento".

O evento será repartido em 3 dias, tendo cada dia um tema específico. No primeiro dia, 24 de fevereiro, o tema a ser debatido será "Entretenimento e novos atores sociais". No dia 25 de fevereiro o tema é "Visibilidades e Invisibilidades na informação". Já "Oportunidades e estratégias nos media" será o tema debatido no último dia. Para a organização, o primeiro dia deverá ser "o mais polémico, pelo tema que trata".

O evento está a ser organizado, de forma direta, por alunos do 3º ano de CSEM. Contudo, contam com a ajuda de alunos de todo o curso para fazerem a promoção da edição deste ano. Para os dois alunos com quem o Blasting News falou, organizar um evento desta dimensão "permite complementar a aprendizagem académica". No corpo de professores responsáveis há uma enorme satisfação ao "entender que (os alunos) estão preparados".

A edição de 2014 foi a primeira realizada maioritariamente por alunos de CSEM. Para David Fialho, um dos coordenadores gerais da 7ª edição, tamanha responsabilidade "inicialmente (foi) assustadora". E tal como para os organizadores deste ano, "a fase de brainstorming foi provavelmente a mais complicada", refere. Para David, atualmente licenciado, a parte mais interessante foi o momento em que "os docentes passaram a ser colegas de trabalho", admite. Algo que Bruno Rego também valoriza: "Prefiro afirmar a existência de uma equipa em que cada um tem as suas responsabilidades". Em jeito de resumo da edição de 2014, o professor afirma que "delegar a organização comprovou-se ser a opção acertada". No final, David Fialho deixa um conselho aos futuros organizadores: "Se nunca se envolveram em nada do género, eu recomendo que o façam".