A Guarda Nacional Republicana (GNR) deteve ontem, 11 de Março, um homem de 60 anos de idade, residente em Ferreira do Zêzere, suspeito da prática de um #Crime de incêndio florestal, ocorrido na localidade de Barqueiro, na freguesia de Maçãs de D. Maria, no concelho de Alvaiázere. A detenção surgiu na sequência da deslocação de uma patrulha do Posto Territorial de Alvaiázere ao local. Os militares "de imediato tentaram recolher indícios que levassem ao responsável pelo mesmo, bem como de testemunhos, tendo-se apurado que o incêndio teve origem na queima de sobrantes agrícolas que alastrou a área florestal, tendo ardido cerca de dois hectares", revela um comunicado do Comando Territorial de Leiria da GNR.

O mesmo comando informa ainda da detenção de um outro indivíduo, no dia 6 de Março, pelo Núcleo de Protecção Ambiental do Destacamento Territorial de Leiria, na localidade de Alvados, Mira de Aire, no concelho de Porto de Mós, "por autoria de incêndio florestal por negligência".

Segundo a mesma fonte, o suspeito "efectuou corte de matos na sua propriedade com ajuntamento dos sobrantes agrícolas e queima", tendo a investigação concluído que "o incêndio teve origem na propagação de uma fogueira, devido às rajadas de vento" e que "não houve prejuízos para terceiros". A GNR refere que o suspeito "foi alertado que, apesar de estar fora do período crítico de incêndio e o risco de incêndio para o dia em referência ser reduzido, deveria ter adoptado medidas que visam reduzir os perigos durante as queimas de sobrantes".

Por sua vez, no dia 7 de Março, um outro homem, de 54 anos de idade, foi detido também pela GNR, desta vez na localidade de Valdeira, na freguesia de Abiul, concelho de Pombal. O detido foi identificado como sendo o autor de um incêndio que consumiu cerca de cinco hectares de área florestal, e que chegou a ser combatido por mais de meia centena de operacionais das corporações de bombeiros de Pombal, Ansião, Alvaiázere e Ourém, para além de três patrulhas do Grupo de Intervenção de Protecção e Socorro (GIPS) da GNR.

Julgado em tribunal, em processo sumário, o indivíduo foi condenado a uma pena de multa de 350 euros, a entregar aos Bombeiros Voluntários de Ansião, e ainda a uma pena de prisão, suspensa por três anos. #Justiça