O projecto "Receita Electrónica", que permite aos cidadãos aviar as suas receitas usando apenas o Cartão de Cidadão, vai chegar a mais de 110 farmácias do distrito de Leiria. A iniciativa, desenvolvida pela Associação Nacional das Farmácias em parceria com a farmacêutica Mylan, arrancou em Fevereiro e deverá estar implementado em todo o país até ao final do mês de Julho. João Madeira, director-geral da Mylan Portugal, considera que o apoio concedido facilitou a "implementação de uma plataforma electrónica de dispensa de receita médica" que permitirá "aumentar o acesso a medicamentos de elevada qualidade".

Numa nota de imprensa, a farmacêutica refere que o projecto da Receita Electrónica é uma iniciativa estratégica do Ministério da Saúde que permite a simplificação de processos na dispensa diária de medicamentos sujeitos a prescrição médica. "Em Portugal são dispensadas mais de 300.000 receitas por dia. Além de mais seguro e mais amigo do utente, este é um sistema mais eficiente para as farmácias", lê-se na mesma nota.

O novo sistema de Receita Electrónica é simples. O médico passará a prescrever os medicamentos através do Cartão de Cidadão, e para aceder aos seus medicamentos, o utente só precisará de apresentar na farmácia o Cartão de Cidadão. Segundo os promotores da iniciativa, existem vários benefícios. Um deles passa pelo facto de os utentes nunca mais se esquecerem "das suas receitas em casa" e "não voltarem a perder tempo a procurá-las no meio de outros papeis", para além de poderem "aviar os medicamentos a qualquer momento", bastando ter consigo o Cartão de Cidadão. Por outro lado, a nova Receita Electrónica "é amiga das árvores" porque "vai acabar com o desperdício de milhões de folhas de papel por ano, que não são mais necessárias", salientando ainda outros benefícios para o ambiente, uma vez que "poupará também em tinteiros e impressoras".

Com o novo sistema não haverá alteração nas regras de prescrição de medicamentos por parte dos clínicos. Em cada receita só podem ser prescritos até quatro medicamentos distintos, com o limite máximo de duas embalagens por medicamento. No entanto, podem ser prescritas numa só receita até quatro embalagens no caso de os medicamentos prescritos se apresentarem sob a forma de embalagem unitária, entendendo-se, como tal, aquela que contém uma unidade de forma farmacêutica na dosagem média usual para uma administração.

A prescrição de medicamentos manipulados, diabéticos, dietéticos, estupefacientes, substâncias psicotrópicas e outros produtos não podem constar de receita onde sejam prescritos outros fármacos, tal como já acontece actualmente nas receitas de papel. #Inovação