Cerca de uma centena de utentes de uma instituição de Pataias, no concelho de Alcobaça, tiveram de ser retirados, na tarde desta sexta-feira, 7 de Agosto, da instituição devido a um #Incêndio florestal. Tratam-se de crianças e idosos que frequentam a Associação de Bem Estar e Tempos Livres. Ao final da tarde as chamas estavam a ser combatidas por mais de 260 operacionais apoiados por cerca de 80 veículos. Um trabalho dificultado devido ao vento forte verificado na zona e com os #Bombeiros preocupados em salvar as habitações.

Segundo elementos fornecidos pela Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANMP), o incêndio eclodiu às 14:18 horas na localidade de Pataias, no concelho de Alcobaça, distrito de Leiria. Num distrito que ontem, quinta-feira, 6 de Agosto, foi notícia devido ao violento incêndio que ocorreu nos concelhos de Pedrógão Grande e Figueiró dos Vinhos. Desta vez, as chamas deflagraram mais a Sul, junto à estrada de acesso à Praia de Paredes da Vitória.

Devido à proximidade das chamas e por uma questão de prevenção, os utentes da Associação de Bem Estar e Tempos Livres foram retirados das instituições, designadamente 36 utentes do lar de terceira idade, 30 idosos do centro de dia e as crianças que frequentam as Actividades de Tempos Livres (ATL). Cerca das 18:30 horas, o presidente da União de Freguesias de Pataias e Martingança referia à agência Lusa, citada pelo Jornal de Notícias, que “o fogo está na direcção de Pataias”, tendo os bombeiros conseguido até aquele momento “salvar as casas”. No entanto, o autarca alertava para a existência de “muito vento”, o que estava a dificultar o trabalho dos operacionais que se encontravam a actuar no teatro das operações. Uma situação confirmada pelo segundo comandante Operacional Distrital de Socorro, Luís Lopes, que dava conta da progressão do incêndio com “grande intensidade devido ao vento forte”. No entanto, aquele responsável adiantava que não havia habitações em perigo; contudo, as chamas lavravam floresta a caminho de habitações, obrigado ao posicionamento dos bombeiros junto às mesmas.

Às 19:19 horas a ANPC dava conta que o incêndio estava com uma frente activa, estando no local 259 operacionais, auxiliados por 77 meios, entre bombeiros, elementos do Grupo de Intervenção e Protecção de Socorro (GIPS) da GNR, Sapadores Florestais, e outros, bem como 2 meios aéreos pesados. Tinha sido accionado, também, um Grupo de Reforço para Ataque Ampliado (GRUATA01) de Lisboa e Grupo de Reforço para Combate a Incêndios Florestais (GRIF01) de Lisboa.