Um homem lançou o pânico em Leiria, na última terça-feira, 18 de Agosto. O caso só agora ficou conhecido, quando se soube que a #Polícia Judiciária está a fazer uma verdadeira "caça ao homem" para tentar deter este suspeito. O homem que a polícia procura foi descrito por três vítimas que o denunciaram. As três mulheres acusaram um homem de "cerca de 30 anos" e que na altura do ataque "vestia roupas negras", conforme descrição do Correio da Manhã. 

O suspeito terá feito os ataques em locais mais ermos e distantes de zonas mais povoadas da cidade de Leiria, durante a manhã de terça-feira. A zona é particularmente utilizada para caminhadas e corridas a pé e as vítimas estavam sozinhas no momento do ataque e eram mulheres de meia idade, entre os 40 e os 50 anos. 

Apesar de mais jovem, o suspeito terá permitido a fuga às três mulheres que conseguiu agarrar, mas não conseguiu consumar o acto da violação. O homem terá agarrado a primeira vítima, que tentou violar. A mulher rebateu o ataque e conseguiu fugir, apresentando logo de seguida queixa na Polícia de Segurança Pública. O homem não se intimidou com este primeiro desfecho e escondeu-se para preparar novo ataque. A vítima voltou a ser uma mulher de meia-idade que caminhava sozinha. O homem repetiu o feito e o desfecho foi o mesmo, terminando com a mulher a escapar ao ataque. E como não há duas sem três, o caso repetiu-se uma terceira vez com igual final. 

As mulheres conseguiram fugir e as três apresentariam queixa contra o alegado violador, que está agora a ser procurado pela Polícia Judiciária, já a investigar estes crimes. As mulheres não se livraram de um grande susto, numa zona descrita como "muito calma" até então. Apesar do valente susto e destas mulheres terem ficado constrangidas com o sucedido, o homem não estaria armado e as vítimas acabaram por sair ilesas destes ataques. 

Este caso surge como singular na cidade de Leiria e no caso deste local, conhecido na cidade como parque radical, terá sido a primeira vez que esta ameaça surgiu. São muitas as mulheres que recorrem a este parque para prática de actividade física, mas também crianças, sobretudo na parte da manhã e no final do dia, segundo informa o Correio da Manhã#Crime