Depois de na passada semana, o PCP ter renunciado ao acordo de gestão na Câmara Municipal da Marinha Grande, PS estuda nova alternativa. O Presidente da Câmara Municipal, Álvaro Pereira, emitiu hoje, dia 26, um comunicado. Nele, fica-se a saber que o PS estuda alternativas com o PSD e Movimentos Independentes. Solução parece estar para breve.

O Presidente da Câmara Municipal da Marinha Grande, Álvaro Pereira, eleito pelo Partido Socialista, emitiu esta tarde um comunicado, onde comenta as últimas atribulações na gestão da Câmara Municipal. Com os tempos de incerteza que se vivem, e após o fim do acordo PS - PCP para a gestão da edilidade, o Partido Socialista procura serenar os ânimos e afirma a procura de uma alternativa de forma a possibilitar uma gestão mais consensual da Câmara. 

No comunicado, Álvaro Pereira faz questão de refutar qualquer responsabilidade no rompimento do anterior acordo e, segundo ele, "esse acordo foi rompido unilateralmente, e na sequência de um conjunto de acções e opções políticas assumidas pela Senhora Vereadora eleita pela CDU...". 

Álvaro Pereira reafirma no comunicado a sua legitimidade para continuar a presidir os destinos da Câmara Municipal, pelo que assume o diálogo com os vereadores do PSD e dos Movimentos Independentes MPM e + Concelho, de forma a ser construída uma plataforma de entendimentos que permita a estabilidade governativa até às próximas #Eleições Autárquicas, em 2017. 

Recorde-se que nas últimas eleições autárquicas, o Partido Socialista foi o partido mais votado, com 29,93% dos votos, o que lhe permitiu eleger dois vereadores. Também o PCP, com 24,75% dos votos, elegeu dois vereadores, sendo que os outros três vereadores ficaram distribuídos pelo Movimento Independente MPM, Movimento Independente + Concelho e pelo PSD.

Assim, e com o PCP de fora de um possível novo acordo, cabe agora a Álvaro Pereira conseguir chegar a um consenso alargado com estes novos parceiros, o que não se prevê que seja uma tarefa linear, pois muitas vezes estes estiveram contra muitas das decisões recentes do executivo liderado por Álvaro Pereira.