O orçamento da Câmara Municipal da Marinha Grande para 2016 foi chumbado com os votos contra da CDU e dos dois Movimentos Independentes. Apenas o vereador do PSD votou no mesmo sentido do PS. Paulo Vicente, actual Presidente da Câmara, em substituição de Álvaro Pereira, promete uma nova proposta de orçamento dentro em breve. Oposição promete analisar novo documento.

Continuam conturbados os tempos na Câmara Municipal da Marinha Grande. Em Agosto passado, a CDU abandonou a coligação com o PS, que garantia a estabilidade executiva. Após este abandono por parte dos vereadores da CDU, e depois de muitas trocas de acusações sobre o que levou a tal ruptura, o PS procurou encontrar alternativas dentro da oposição, o que ainda não aconteceu. A acrescentar a isto, Álvaro Pereira, o presidente eleito, acabou por ter que pedir a suspensão de mandato, devido a motivos de saúde, ficando Paulo Vicente com a responsabilidade de assumir o comando da autarquia. 

Agora e tal como já se esperava, não tendo o PS conseguido formar uma coligação alternativa à que tinha com a CDU, o orçamento da Câmara para 2016 foi chumbado. Numa longa reunião do executivo, os vereadores da oposição mostraram forte oposição ao orçamento de cerca de 21 milhões de euros. Ao lado dos dois vereadores do PS, apenas o vereador do PSD, António Santos, votou a favor do documento.

Este, em declarações ao Jornal Diário de Leiria, explicou a sua opção com o argumento de ser a favor da estabilidade política.Em sentido contrário, os dois vereadores da CDU e os vereadores dos Movimentos Independentes + Concelho e MPM votaram contra. Aurélio Ferreira, vereador do MPM, explicou porque votou contra este orçamento. "Entendo que este documento não revela o que são as necessidades do concelho".

Também Carlos Logrado, do Movimento Independente + Concelho, explicou o sentido do seu voto: "Voto contra por no orçamento não estarem inscritos projectos estruturantes para o desenvolvimento do concelho. Com o voto contra, quero dar oportunidade de o PS apresentar um orçamento que contemple as reais necessidades do concelho". 

Depois  deste chumbo, espera-se agora que o PS volte a apresentar em breve uma nova proposta de orçamento. #Autarquias