O Instituto Politécnico de Leiria vai investir cerca de 660 mil euros na aquisição de 220 bicicletas para fomentar uma mobilidade sustentável e suave. Os veículos eléctricos serão distribuídos por alunos e colaboradores por um período de 6 ou 12 meses, conforme o seu compromisso de utilização. Uma das intenções é fazer com que a comunidade educativa percorra o percurso escola – casa, e vice-versa, de bicicleta. A iniciativa abrange as várias escolas e centros de investigação da instituição, localizadas nos concelhos de Leiria, Marinha Grande, Caldas da Rainha e Peniche.

De acordo com uma informação difundida pelo próprio Instituto Politécnico de Leiria, o projecto, designado por “U-Bike Portugal”, resulta de uma candidatura ao Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos ( PO SEUR), em parceria com o Instituto da Mobilidade e dos Transportes, o que permitiu obter um financiamento de fundos comunitários na ordem dos 85 por cento. A instituição, presidida por Nuno Mangas, refere, igualmente, que aquela iniciativa enquadra-se na estratégia que tem sido desenvolvida junto das populações dos concelhos da sua abrangência, para promover uma “cultura de mobilidade mais sustentável”, tanto para os cidadãos, como para o #Ambiente. Daí que a utilização da bicicleta por parte dos alunos e dos colaboradores permitirá demonstrar a importância do seu uso nas respectivas comunidades. Por outro lado, pretende reduzir o uso de veículos automóveis e o seu estacionamento nos respectivos campi escolares.

Para além da distribuição das 220 bicicletas eléctricas, aquele Instituto Politécnico irá, também, criar “postos de amarração” dotados com sistemas de carregamento gratuito em todos os seus polos escolares, residências estudantis e centros de investigação. Aquele projecto surge depois de o próprio Instituto Politécnico ter realizado um longo processo de reflexão e debate, bem como da realização de um inquérito efectuado junto da comunidade educativa. Um processo que envolveu, igualmente, as respectivas câmaras municipais, fabricantes das bicicletas, companhias de seguros, operadoras de telecomunicações e agências de energia, como a ENERDURA e a Oeste Sustentável. #Educação